Aulas presenciais na cidade de SP voltam em fevereiro, com 35% da capacidade

A medida vale para as redes municipal, estadual e privada. O protocolo sanitário será único, com uso obrigatório de máscaras e disponibilidade de álcool em gel

A prefeitura de São Paulo decidiu, nesta quinta-feira, 14, retomar as aulas presenciais a partir do dia 1º de fevereiro. O protocolo segue o que foi determinado pelo governo do estado, na terça-feira, 12, que autorizou a retomada das atividades, mas com 35% da capacidade. A medida vale para as redes municipal, estadual e privada.

“Não há evidência suficiente de que as crianças sejam caso índice de transmissão. Fizemos um longo período de análise para tomarmos a decisão”, explicou o secretário municipal da Saúde de São Paulo, Edson Aparecido.

A prefeitura não descartou o modelo de rodízio para atender todos os alunos, mas deixou a decisão a cargo de cada unidade escolar, desde que respeite a capacidade máxima.

Ainda segundo Edson Aparecido, o protocolo sanitário será único para a rede pública e privada, com o uso obrigatório de máscaras e disponibilidade de álcool em gel. Professores com mais de 60 anos e comorbidades não devem retornar ao trabalho de forma presencial.

Desde novembro estavam autorizadas as aulas presenciais no ensino médio e superior. No ensino fundamental e infantil só eram permitidas atividades extracurriculares, como aulas de reforço e de língua estrangeira.

O secretário municipal de Educação, Fernando Padula, explicou que na rede municipal as atividades começam presenciais para os alunos somente no dia 15 de fevereiro. Antes disso, os professores e funcionários farão os preparativos das unidades e o planejamento pedagógico.

Inquérito sorológico

Para tomar a decisão, a prefeitura realizou um novo inquérito sorológico para entender o tamanho da doença na cidade e qual a taxa de transmissão. O secretário Edson Aparecido explicou que a prefeitura decidiu fazer um novo inquérito para ajudar nas decisões de controle da pandemia.

Nesta primeira etapa foram testadas 1.960 pessoas, entre os dias 5 e 7 de janeiro, e a prevalência ficou em 14%. Considerando a população de 12,25 milhões, significa que 1,7 milhão de pessoas já tiveram a doença na cidade.

Em 2020, o município realizou um inquérito sorológico com oito fases de testagem em adultos e quatro etapas em crianças em idade escolar. A prevalência da última testagem ficou em 13% nos adultos e em 16% nas crianças e adolescentes. Ou seja, a prevalência geral ficou dentro da margem de erro da pesquisa, que é de 4%.

A vigilância sanitária vai ainda monitorar em tempo real uma escola em cada uma das 28 regiões de saúde. Este processo será uma maneira de testar qual o impacto do retorno de atividade escolar no possível aumento da doença. Caso seja identificado algum problema, novas medidas podem ser tomadas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.