Brasil

Após pedido de Bolsonaro, Brasil desconvida Cuba e Venezuela para posse

Os países receberam os convites para a cerimônia que acontece em 1º de janeiro, mas o futuro governo mudou de ideia e desconvidou os dois

Bolsonaro e Araújo: decisão foi tomada após futuro chanceler negar convite e chanceler venezuelano publicar foto com o comunicado (Valter Campanato/Agência Brasil)

Bolsonaro e Araújo: decisão foi tomada após futuro chanceler negar convite e chanceler venezuelano publicar foto com o comunicado (Valter Campanato/Agência Brasil)

CC

Clara Cerioni

Publicado em 17 de dezembro de 2018 às 10h55.

Última atualização em 17 de dezembro de 2018 às 11h16.

São Paulo — A pedido da equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro, o Itamaraty enviou um novo comunicado aos governos de Cuba e da Venezuela desconvidando seus representantes a comparecer na posse presidencial, em 1º de janeiro de 2019.

Os dois países haviam receberam os convites para a cerimônia em novembro. Por meio de um curto texto, o Ministério das Relações Exterior pediu para que seus chanceleres desconsiderassem o comunicado anterior.

Esta é a primeira vez, desde a redemocratização, que um país fica de fora do convite diplomático para participar da posse presidencial no Brasil.

O pedido veio após o futuro ministro Ernesto Araújo negar que o Itamaraty havia convidado Nicolás Maduro para o evento.

Logo depois, o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, publicou em seu Twitter que o Brasil havia sim convidado o presidente venezuelano.

Arreaza divulgou imagens de um documento enviado pelo Ministério das Relações Exteriores, em 29 de novembro, que avisa que a embaixada venezuelana em Brasília receberia mais detalhes da cerimônia.

O chanceler venezuelano publicou, ainda, o documento que o governo da Venezuela enviou em resposta ao convite, em 12 de dezembro, no qual afirma que "não assistiria jamais a posse de um presidente que é a expressão da intolerância, do fascismo e da entrega a interesses contrários à integração latino-americana e caribenha".

Neste domingo, o presidente eleito reafirmou em entrevista que nem Nicolás Maduro nem Miguel Diáz-Camel serão convidados, por ambos serem ditadores. 

“Ele, Maduro, com certeza não vai receber um convite para a posse. Nem ele, nem o ditador que substituiu Fidel Castro…. Fidel Castro, não, Raúl Castro”, disse.

Ao ser questionado sobre as razões, o presidente respondeu: “Porque é ditadura, não podemos admitir ditadura. O povo lá não tem liberdade.”

Bolsonaro disse ainda que os cubanos que integravam o programa Mais Médicos “foram embora (...) porque sabiam que eu ia descobrir que grande parte deles, ou parte deles, era de agentes e militares, e não podíamos admitir o trabalho escravo aqui no Brasil com a máscara de trabalho humanitário voltado para pobres”.

Mais tarde, o presidente eleito voltou a falar sobre o assunto em suas redes sociais reforçando o posicionamento de seu governo.

(Com Estadão Conteúdo)

Acompanhe tudo sobre:CubaErnesto AraújoGoverno BolsonaroItamaratyJair BolsonaroMinistério das Relações ExterioresNicolás MaduroVenezuela

Mais de Brasil

Fuad e Kassab apostam em discurso moderado e feitos da gestão para reeleição em prefeitura BH

Detentos fazem rebelião e incendeiam presídio em Franco da Rocha, na Grande SP

Artefatos indígenas retidos na França retornam ao Brasil

Convenções começam neste sábado com oficialização de candidaturas de Boulos, Paes e Fuad

Mais na Exame