Anvisa avalia no domingo o uso emergencial de vacina do Butantan e da Fiocruz

O prazo terminaria na segunda-feira, 18. Anvisa condicionou a análise ao envio de documentos faltantes dos dois laboratórios

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) marcou para o domingo, 17, uma reunião da Diretoria Colegiada, na qual serão avaliados os pedidos de uso emergencial das vacinas contra a covid-19 do Instituto Butantan/Sinovac e da Fiocruz/AstraZeneca. O prazo limite para esta análise terminaria no dia 18, segunda-feira.

Em nota divulgada à imprensa, a Anvisa condiciona o parecer à “entrega, em tempo hábil para análise, dos documentos faltantes e complementares”, diz.

Segundo a agência, a vacina do Butantan, desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac, tem 40% dos documentos analisados, 37% ainda precisam de complementação e quase 6% ainda não foram apresentados.

No caso do imunizante da Fiocruz, feito em parceria com a AstraZeneca, já foi concluída a análise de 32% dos documentos, 53% estão em análise, e 14% ainda precisam de complementação.

Vacina do Butantan tem eficácia de 50,38%

Nesta terça-feira, 12, o Instituto Butantan divulgou a eficácia geral da vacina contra a covid-19, a chamada Coronavac, que ficou em 50,38%. Este valor e indica a capacidade do imunizante de evitar casos sintomáticos da doença.

Apesar da eficácia ser mais mais baixa que outras vacinas (as da Pfizer e da Moderna ficaram acima de 90%), está no limite mínimo exigido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que é de 50%. Está também dentro dos padrões da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Ricardo Palácios, diretor médico de pesquisa clínica do Butantan, explicou que a eficácia ficou mais baixa porque considerou a resposta imunológica também em casos muito leves da doença, que não necessitam de atendimento médico.

Início da vacinação

Ainda não há uma data certa para o início da vacinação no Brasil. Na segunda-feira, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que vai começar “no dia D, na hora H”, sem dar mais detalhes. Internamente, o governo trabalha com a possibilidade de iniciar no dia 20 de janeiro.

Na semana passada, o Ministério da Saúde anunciou a compra das 40 milhões de doses da vacina que serão produzidas pelo Butantan e mais 6 milhões importadas prontas pelo instituto.

Há ainda 2 milhões de doses prontas que a Fiocruz deve receber nos próximos dias, vindas de um fornecedor da AstraZeneca na Índia. Pazuello disse que assim que as doses chegarem, a vacinação começará em poucos dias.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.