Com alta de insumos, safra de grãos será a mais cara da história

Os três vilões da alta de custos são o fertilizante, o defensivo e o combustível, segundo o produtor rural Fabrício Maestrello
Safra de soja o gasto médio no País para produzir um hectare deste grão ano deve crescer 45% em 2022 (Gabriel Jabur/Agência Brasília/Fotos Públicas)
Safra de soja o gasto médio no País para produzir um hectare deste grão ano deve crescer 45% em 2022 (Gabriel Jabur/Agência Brasília/Fotos Públicas)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 30/05/2022 às 17:16.

Produtor rural há dez anos, Fabrício Maestrello pela primeira vez vai reduzir a área plantada com soja na safra a ser semeada em setembro. Dos 1,2 mil alqueires (cerca de 2,9 mil hectares ou a área equivalente a quase 3 mil campos de futebol) que normalmente cultiva na região de Paranacity, noroeste do Paraná, ele vai plantar a metade. O motivo do corte foi a alta de preços dos insumos. "O aumento foi muito superior à valorização do grão é um negócio que você entra devendo", afirma.

Acompanhe de perto as notícias do agronegócio com a EXAME. Assine por menos de R$ 0,37/dia.

Os três vilões da alta de custos, segundo o produtor, são o fertilizante, o defensivo e o combustível. Neste ano, Maestrello desembolsou R$ 6,2 mil pela tonelada de adubo, 120% a mais do que na última safra. Pelo litro do herbicida, pagou R$ 90, quatro vezes o que gastou em 2021. Isso sem falar no diesel usado nos tratores. "Custava R$ 4 e pouco o litro e agora está quase R$ 7." No período, a soja no mercado futuro subiu cerca de 40%.

Recorde indesejado

A forte pressão de custos dos insumos enfrentada por Maestrello é a realidade dos agricultores brasileiros que vão plantar a safra mais cara da história, apontam levantamentos de várias instituições. A guerra entre a Ucrânia e a Rússia, esta última um dos principais exportadores de adubos para o Brasil e a crise energética e logística da China, onde estão as fábricas de defensivos, além da alta do diesel, levaram os preços de insumos às alturas.

Pressões de custos dos grãos soam como um sinal de alerta para uma inflação de alimentos "encomendada", que pode se concretizar em 2023 ou não, a depender da situação do mercado na hora da comercialização da safra.

Onde o problema é maior

Nas contas da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o gasto médio no País para produzir um hectare este ano deve crescer 45% para a soja e aumentar quase 50% para o milho em relação ao anterior. "Pode ser que o custo seja ainda maior", frisa Maciel Silva, coordenador de Produção Agrícola da CNA. É que, neste momento, nem todos os insumos foram comprados e, portanto, estão sujeitos a altas de preços, diz.

No entanto, o aumento de custos em regiões específicas e consolidadas na produção de grãos supera a média nacional calculada pela CNA. A alta dos gastos com insumos para a próxima safra de soja varia entre 60% e 70% no norte do Paraná e no Mato Grosso em relação à anterior, apontam a cooperativa Cocamar, de Maringá (PR), e o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Agricultura do futuro: fazendas já dispensam terra e até luz solar; veja vídeo

Safra de arroz deve ter quebra este ano: o que acontece com os preços?