Oi diz não ter pressa para vender ativos da Portugal Telecom

A Oi 'não tem pressa' de vender os ativos portugueses da Portugal Telecom, uma vez que a empresa está preocupada em 'obter o melhor acordo para os acionistas'.

O grupo de telecomunicações Oi espera elevar em 1,2 bilhão a 1,8 bilhão de reais a geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) no próximo ano, por meio de estratégia de corte de custos e melhora de vendas.

A projeção exclui investimentos que o presidente-executivo, Bayard Gontijo, recusou-se a informar a analistas que participaram de teleconferência em inglês, após a empresa divulgar que fechou o terceiro trimestre com lucro de 8 milhões de reais ante 172 milhões no mesmo período de 2013.

Segundo Gontijo, a Oi "não tem pressa" de vender os ativos portugueses da Portugal Telecom, uma vez que a empresa está preocupada em "obter o melhor acordo para os acionistas".

A companhia recebeu até agora três manifestações de interesse pelos ativos portugueses da Portugal Telecom, pelos grupos Altice e Apax e Bain Capital e pela empresária angolana Isabel dos Santos

Além disso, nesta quinta-feira, coluna da revista Veja publicou que a empresa privada portuguesa de correios CTT "se prepara para fazer uma oferta pela Portugal Telecom". Procurada, a Oi não comentou o assunto, mas Gontijo afirmou durante a teleconferência que se a empresa tiver mais interessados nos ativos "será ótimo".

Bayard afirmou que os recursos a serem levantados com a venda dos ativos portugueses da Portugal Telecom serão usados no processo de consolidação do mercado de telecomunicações do Brasil.

"Vamos vender os ativos para participar da consolidação sem acessar o mercado de capitais", afirmou o executivo, lembrando que a empresa ainda mantém à venda os ativos do grupo na África e que deve concluir uma segunda etapa de venda de torres de telefonia no Brasil em dezembro.

As ações da Oi mostravam alta de 1,5, enquanto o Ibovespa exibia valorização de 0,3 por cento.

No terceiro trimestre, o Ebitda pro-forma da empresa somou 3 bilhões de reais, queda de 1,5 por cento sobre o resultado obtido um ano antes. Nos nove primeiros meses, o Ebitda foi de 9,376 bilhões de reais, alta de 1,4 por cento sobre o obtido no mesmo período de 2013.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.