A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Nova York aprova lei que prevê direitos para entregadores de delivery

Eles poderão escolher uma distância máxima por viagem, podem vetar trajetos que passem por pontes ou túneis e precisam receber informações precisas sobre repasses de pagamento

A cidade de Nova York aprovou uma série de leis na quinta-feira, 23, para garantir e melhorar as condições de trabalho, além de estabelecer pagamentos mínimos, para entregadores de aplicativos de delivery. Por lá, os mais famosos são Grubhub, DoorDash e Uber Eats.

Entre as garantias da nova legislação estão uma série de prerrogativas que dão maior escolha e flexibilidade aos entregadores. Por exemplo, eles poderão escolher uma distância máxima por viagem e podem vetar trajetos que passem por pontes ou túneis — nos EUA, as entregas são comumente feitas de bicicleta ou carro, e as motos são menos utilizadas.

A iniciativa torna a cidade a primeira a ter um conjunto de leis que regula a indústria de delivery nos EUA. Esses apps passaram por forte escrutínio durante a pandemia e durante a passagem do Furacão Ida pela cidade, acontecimentos que aumentaram a demanda por pedidos de comida.

Veja outras obrigações e direitos aprovados em Nova York para a categoria:

  • Os apps de comida não podem mais cobrar dos entregadores os custos financeiros dos repasses, que devem ser feitos pelo menos uma vez por semana;
  • É preciso que os apps deixem claro antes de a corrida ser aceita informações como tempo de viagem, local de retirada e local de entrega;
  • Os serviços não podem cobrar dos entregadores por sacolas térmicas;
  • Os contratos dos apps com os restaurantes precisam conter cláusulas estabelecendo que entregadores podem utilizar o banheiro do local se estiveram entregando comida de lá;
  • As compensações de trabalho, incluindo gorjetas, têm que ser notificadas aos trabalhadores diariamente.

A lei ainda estabelece que autoridades públicas realizem um estudo para entender o mercado de delivery e estabelecem uma remuneração mínima aos trabalhadores.

Algumas empresas, como a Grubhub, afirmaram à imprensa americana que apoiam a medida.

Apesar disso, recentemente elas processaram a cidade de Nova York por tentar implementar um limite de quanto poderiam cobrar dos restaurantes pelas entregas. A DoorDash e a Grubhub também processaram a cidade de São Francisco, depois que legisladores tentaram introduzir um teto de 15% para a cobrança.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também