• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Internet: demanda reprimida pode chegar a 11,6 mi de domicílios

Se o acesso ao serviço fosse universalizado e houvesse redução em preços cobrados dos usuários, haveria inclusão desses domicílios
Internet: um domicílio urbano tem três vezes mais chances de ter acesso à internet que um rural (Thinkstock/Brian A. Jackson/Thinkstock)
Internet: um domicílio urbano tem três vezes mais chances de ter acesso à internet que um rural (Thinkstock/Brian A. Jackson/Thinkstock)
Por ReutersPublicado em 05/12/2017 17:33 | Última atualização em 05/12/2017 19:53Tempo de Leitura: 1 min de leitura

São Paulo - A demanda reprimida por acesso à internet no Brasil pode chegar a 11,6 milhões de domicílios, mostrou estudo conduzido pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) entre 2016 e 2017.

Conforme o levantamento, 39,1 milhões de residências no país têm acesso à banda larga fixa ou 3G e 4G na telefonia móvel. Se o acesso ao serviço fosse universalizado e houvesse redução em preços cobrados dos usuários, haveria inclusão de 11,6 milhões de domicílios, totalizando 50,7 milhões de residências, apontou a Anatel.

"Uma boa escolha de política pública deve ser aquela que contempla a priorização com base no mercado potencial, pois é aquela que gera o maior ganho econômico além de atender os diferentes seguimentos da população", diz o estudo.

A pesquisa, que é fruto do Acordo de Cooperação Técnica com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e utiliza dados do Censo 2010 e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2015, indica que um domicílio urbano tem três vezes mais chances de ter acesso à internet que um rural.