A página inicial está de cara nova Experimentar close button

ICANN lança plataforma para colaboração digital

Chamado de ICANNLabs, o espaço está sendo promovido em um site que permite o cadastro de qualquer pessoa ou empresa para participar do processo

Tida pelo ministro Paulo Bernardo como um órgão centralizador na regulamentação da Internet, a Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN), uma sociedade sem fins lucrativos que é responsável pelo gerenciamento de nomes de domínios usados na rede e administração dos servidores raiz (uma espécie de lista telefônica da Internet), está lançando nesta segunda-feira, 15, uma plataforma digital colaborativa para promover o avanço da rede.

Chamado de ICANNLabs, o espaço está sendo promovido em um site que permite o cadastro de qualquer pessoa ou empresa para participar do processo. Naturalmente, o propósito também é deixar a entidade norte-americana mais relevante ao expandir o conceito plurilateral no qual é baseada.

Segundo comunicado da entidade, o projeto "foi motivado pelo desejo de apoiar o modelo fundado na participação que o ICANN possui ao aumentar a pegada digital da organização, colocando mais pessoas para entender, engajar e se envolver com o ICANN".

O projeto pretende ainda divulgar as colaborações de forma transparente. O órgão diz que, por ser construído no modelo multilateral baseado em tecnologia para compartilhar, colaborar e contribuir, deveria aumentar seus horizontes.

"O ICANN remete aos domínios e rotas da Web, então é estranho que não tenhamos tirado o máximo das possibilidades oferecidas pelas ferramentas digitais", afirma o texto no blog do ICANNLabs.

A iniciativa é dividida em categorias: descoberta, colaboração, comunicação e educação. A ideia é aceitar as propostas, trabalhar nas hipóteses e, eventualmente, aplicá-las como protótipos em diferentes escalas caso atendam a requisitos. O projeto é uma parceria com a Neo, que ajuda na inovação de produtos.

Críticas brasileiras

Na semana passada, em decorrência das acusações de monitoramento das comunicações brasileiras por parte do governo dos Estados Unidos, o ministro Paulo Bernardo criticou de forma pesada o ICANN. Bernardo disse que a governança da rede está "absolutamente centralizada nos EUA e as regras da Internet são estipuladas e fixadas por uma entidade privada americana com sede na Califórnia".

Além de ter projetos para abrir escritório no Brasil, a entidade conta com um representante brasileiro: Everton Lucero, nomeado em fevereiro deste ano como gerente de engajamento participativo para o Brasil. Lucero tem experiência de 20 anos como diplomata no ministério de Relações Exteriores, além de ter trabalhado como conselheiro da embaixada brasileira em Washington.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também