Google admite rastrear celulares contra vontade de usuários

Smartphones com sistema Android enviam sua localização para a empresa

São Paulo – O Google admitiu rastrear celulares Android, mesmo quando os serviços de localização dos aparelhos estiver desativada pelos usuários. O caso veio à tona com uma reportagem publicada pelo site Quartz, que informa sobre a empresa receber dados referentes às torres de rede celular próximas dos smartphones.

A coleta de dados não era restrita a aparelhos específicos: qualquer smartphone Android recente poderia ter dados enviados ao Google.

Com o uso de dados de diferentes torres de rede celular, uma empresa como o Google poderia triangular a localização dos usuários. Apesar da criptografia usada no envio de informações de localização, um smartphone infectado com malware ou spyware poderia compartilhar esses dados com terceiros sem que o usuário saiba.

Fora isso, seria possível que o Google conte para marcas parceiras se uma pessoa foi a uma determinada loja recentemente.

O Google diz que não armazena essas informações, e nem sequer as utiliza. O intuito de recebê-las era para buscar uma nova forma de acelerar o recebimento de mensagens. Mas, após o contato da reportagem do Quartz, a companhia se comprometeu a encerrar essa prática até o fim deste mês de novembro.

Leia o posicionamento do Google sobre o caso a seguir:

"Para garantir que as mensagens e as notificações sejam recebidas rapidamente, os celulares Android modernos usam um sistema de sincronização de rede que requer o uso de Mobile Country Codes (MCC) e Mobile Network Codes (MNC). Em janeiro deste ano, começamos a usar os códigos de Cell ID dos aparelhos como um sinal adicional para melhorar a velocidade e desempenho na entrega de mensagens. No entanto, nunca incorporamos o número de Cell ID em nosso sistema de sincronização de rede, de modo que os dados são imediatamente descartados, e nós o atualizamos agora para não solicitar mais o Cell ID. O MCC e MNC fornecem informações de rede necessárias para a entrega de mensagens e notificações e estão distintamente separados do Serviço de Localização, que fornecem a localização do aparelho para alguns aplicativos."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também