Facebook é último colocado em ranking de confiança de usuários

A rede social liderada por Mark Zuckerberg ainda é vista com desconfiança após o escãndalo de uso de dados pela consultoria política Cambridge Analytica

A rede social Facebook ficou em última colocada em um levantamento feito pela empresa de pesquisas Insider Intelligence sobre a confiança de usuários em mídias digitais.

A pesquisa chamada "US Digital Trust Survey" levou em conta cinco categorias de confiança: legitimidade, segurança, experiência, relevância de anúncios e comunidade.

Menos de um terço dos americanos (32%) disseram ter confiança no Facebook para proteger seus dados e sua privacidade. Em contraste, o LinkedIn, que pertence à Microsoft, teve a desconfiança de 10% dos participantes da pesquisa.

O levantamento foi feito dois anos depois do escândalo de uso indevido de dados pessoais pela consultoria política Cambridge Analytica, que teria influenciado nas eleições presidenciais americanas. Mesmo após esse período, o público ainda têm uma percepção negativa da rede social liderada por Mark Zuckerberg quanto a temas de privacidade e segurança de dados pessoais na plataforma.

Foram entrevistados via internet 1.865 adultos nos Estados Unidos, com idades entre 18 e 74 anos, entre os dias 28 de maio e 3 de junho de 2020.

As redes sociais consideradas no levantamento foram: Facebook, Instagram, LinkedIn, Pinterest, reddit, Snapchat, TikTok, Twitter e YouTube.

Veja os resultados da pesquisa na imagem abaixo.

pesquisa facebook confiança 2020

 (Insider Intelligence/Divulgação)

(Strongly agree = concorda plenamente; agree  = concorda;  Somewhat agree = concorda em parte; neutral = neutro; somewhat diagree = discorda em parte; disagree = discorda; strongly disagree = discorda plentamente)

Vale notar que a pesquisa foi realizada antes de o TikTok virar alvo do presidente americano Donald Trump. Em junho, um grupo de usuários do aplicativo reservou assentos em um comício de Trump em Tulsa e não compareceu.

A partir de agosto, o presidente americano iniciou uma queda de braço contra a China para que a empresa fosse vendida para uma companhia americana, ou ela seria bloqueada em solo estunidense. Até o momento, não há definição desse embróglio.

Enquanto isso, o Facebook, por meio do Instagram, lançou o Reels, uma alternativa ao TikTok e vem aprimorando o recurso.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.