Empresa de Elon Musk pede licença para testes de banda larga

Dono da Tesla Motors, Musk tem ambições de criar um programa para fornecer internet global via satélites de baixa órbita

São Paulo – Assim como a OneWeb, o dono da companhia Tesla Motors e responsável pelo projeto de exploração espacial comercial SpaceX, Elon Musk, tem ambições de criar um programa para fornecer Internet global por meio de constelação de satélites de baixa órbita (LEO).

Para tanto, a empresa solicitou à agência reguladora norte-americana, a Federal Communications Commission (FCC), licença para testes experimentais de serviço de rádio.

Em janeiro, a Businessweek afirmou que a ideia de Musk era utilizar um foguete Falcon 9 (da própria SpaceX) para lançar vários satélites LEO para prover Internet para áreas urbanas e rurais no mundo inteiro.

Para tanto, seriam necessários quatro mil satélites de baixa órbita, o que teria um custo proibitivo, segundo a revista norte-americana.

Ainda assim, o pedido de licença à FCC indica que a companhia pretende utilizar ao menos três equipamentos experimentais no teste, um deles em banda Ku e outro com banda X (frequência entre 8 GHz e 12 GHz, utilizada por militares).

Além disso, há uma placa de radiofrequência definida por software (SDR) capaz de até 120 MHz de banda.

De acordo com a documentação, serão dois satélites não geoestacionários: MicroSat-1a e MicroSat-1b. Ambos terão antenas idênticas e deverão se posicionar a 625 km de altitude, com inclinação de 86,6°.

As estações terrestres contarão com antenas na fábrica da SpaceX, em Redmond, Washington, para uplink na banda S; na fábrica da Tesla Motors, na Califórnia, para banda Ku; e em outra fábrica da SpaceX, em Hawthorne, também para banda Ku.

A FCC ainda não publicou decisão a respeito do pedido de Musk.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.