Disney+ conquistou assinantes quatro vezes mais rápido do que a Netflix

A empresa entrou no mercado há um ano e obteve o mesmo número de assinaturas que a rival levou quatro anos para conseguir

O Disney+ chegou ao mercado oito anos atrasado em relação à Netflix, lançada em 2011. Mesmo assim, a empresa já tem hoje 73,7 milhões de assinantes globalmente, apenas um ano após seu lançamento. De 3 de agosto para o final de outubro o salto foi significativo: 21,8%. O Disney+ conquistou assinantes quatro vezes mais rápido do que a Netflix, que apenas no quarto trimestre de 2015, quatro ano depois de sua entrada no mercado de streaming, registrou 74,7 milhões de assinaturas.

Aprenda a investir melhor para assinar vários streamings. Conheça a Estratégia IronCaps

O Disney+ busca se diferenciar no disputado mercado global de streaming com conteúdos originais de Star Wars e Vingadores, duas franquias cinematográficas de sucesso. A Disney detém direitos de séries e filmes de estúdios de grande relevância comercial, como Marvel, Lucasfilm, Fox e Pixar. A Netflix, por outro lado, buscou se tornar uma verdadeira produtora de conteúdo digital. Globalmente, a companhia tem mais de mil produções originais, enquanto o Disney+ tem cerca de 30.

Mas como o Disney+ conseguiu crescer tão rapidamente?

Um dos motivos é o conteúdo original. Em julho, o musical "Hamilton" virou febre no Disney+. Segundo dados da consultoria Antenna, ele foi o responsável por um aumento de 7,4 vezes no número de assinatuas do streaming em relação aos quatro finais de semana de junho. A consultoria Apptopia reportou também que o número de downloads do aplicativo do Disney+ subiu 74% no período entre sexta e domingo do lançamento, que se deu em 3 de julho. O musical é apontado como uma das razões para o crescimento explosivo do streaming da Disney em 2020 -- e se há uma empresa conhecida por fazer musicais, essa empresa é a Disney.

O início da pandemia também ajudou a acelerar o Disney+. No fim de semana de 20 de março, início da quarentena do novo coronavírus em muitos países, a Antenna registrou um aumento de 212% nas assinaturas do serviço, um crescimento maior do que o de todos os concorrentes no período.

O desafio do Disney+ de conquistar a assinatura do brasileiro não será dos mais fáceis. Apesar da força da marca no país e da abrangência de filmes e séries para públicos infantis e adultos, a empresa terá que lidar com a estabelecida Netflix e também competirá contra o Globoplay pelo posto de serviço de streaming mais utilizado do país. Mas em vez de ter um combate frontal, a empresa optou por uma aliança com o serviço da maior emissora de TV do país – ao menos na fase de lançamento do rival no mercado nacional.

E na guerra do preço, o Amazon Prime Video sai vencedor. Ele custa 9,90 reais no Brasil e dá acesso a um conjunto de serviços digitais, como o Prime Music, o Prime Reading e o frete grátis no comércio eletrônico da Amazon.

Agora, além do preço, chegou a hora de os serviços de streaming mostrarem ao público a qualidade de suas produções originais. Assinaturas básicas de cada um dos serviços atualmente saem por, ao menos, 135 reais por mês.

Quanto custa assinar um serviço de streaming?

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.