Com aumento de casais, clima de romance invade a Campus Party

Na oitava edição da Campus Party, a INFO foi descobrir se o romance estava no ar

A Campus Party não se resume a tecnologia, games, workshops e oportunidades de negócios. Ao andar pelos corredores do evento, é possível ver grupos de conversas, computadores potentes, estandes de marcas, casais de mãos dadas e alguns beijos – às vezes assanhados –  por pessoas que acabaram de se conhecer ou que já mantém um relacionamento estável.

De acordo com a organização da Campus Party, esse ano houve um aumento de 15% em números de barracas duplas, nas quais são permitidos casais – ou amigos. Porém, existem namorados como os catarinenses Ketryn Alves e Romeu Marttins,  que optaram por pegar duas barracas. "A barraca de casal é mais cara e apenas 15 centímetros maior que a normal. Por causa disso, preferimos pegar duas:  deixamos nossas coisas em uma e a outra usamos para dormir juntos", disse Ketryn em entrevista à INFO.

O casal de Santa Catarina, que namora há mais de dois anos, veio à Campus Party para agregar experiências na área profissional, pois trabalham em diferentes mercados da tecnologia. Martins é desenvolvedor web e de aplicativos e Ketryn é designer. "Nem sempre conseguimos passar o dia todo juntos, porque algumas das palestras que nos interessam são em palcos diferentes" afirma Ketryn.

No entanto, muitas pessoas que vêm à Campus estão em busca de um relacionamento – mesmo que seja breve. E, para encontrar alguém no evento, alguns deles recorrem à comunidade no Facebook, Spotted: Campus Party BR, que tem o intuito de divulgar anonimamente as pessoas que despertaram interesse em alguém, por meio de posts descritivos ou fotos. "Fui marcada em uma publicação na página e a pessoa sabia meu nome e onde estudo, mas ainda não sei quem é", afirma Maria Bolina Kersanach, estudante de engenharia da computação.

Além de jogos, palestras e oportunidade de novos negócios, as pessoas também vêm à Campus Party para conhecer gente que tenha interesses similares. "Conheço casais que se conheceram no evento e hoje estão casados", disse Samuel Quines Thómas, coordenador CRM da Campus Party, em entrevista à INFO.

Já outros participantes do evento usam a tecnologia na hora de conhecer gente nova, o mais comum nesse caso é o aplicativo de relacionamento Tinder. O mato-grossense Sony de Medeiros, em vez de jogar video-game na Campus Party, está dando curtidas em garotas no app para ver se encontra alguém legal. "Estou à procura de uma menina, mas muitas aqui só vêm para jogar. Não dão a oportunidade de se relacionar, mesmo que seja para uma amizade", afirma Medeiros. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.