Tecnologia

Casamento de William e Kate confirma amor da realeza pela tecnologia

Casamento real terá aplicativo exclusivo para smartphones, músicas vendidas no iTunes e transmissão ao vivo pela internet

William e Kate: pela primeira vez casamento ao vivo na web (Chris Jackson/Getty Images)

William e Kate: pela primeira vez casamento ao vivo na web (Chris Jackson/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de abril de 2011 às 07h01.

Londres - Compromisso anunciado no Twitter, cerimônia transmitida pela primeira vez ao vivo pela internet: o casamento do príncipe William com Kate Middleton confirma o amor do Palácio de Buckingham pela tecnologia digital.

No dia 29 de abril, William e Kate vão se tornar o décimo-sexto casal de príncipes a se casar na abadia de Westminster de Londres. Mas será a primeira vez que o acontecimento será transmitido ao vivo na rede, o que pode resultar em uma audiência impressionante. O governo britânico estima que 2 bilhões de pessoas podem seguir o evento pela televisão em todo o mundo.

Um CD com a trilha sonora de cerimônia em formato digital será vendido quase simultaneamente no iTunes: E 10 dias antes, será lançado o primeiro aplicativo "real" para smartphones.

O palácio de Buckingham, residência oficial da rainha Elizabeth II, entendeu os benefícios das novas tecnologias. O casamento foi anunciado em novembro em um comunicado da imprensa da forma mais tradicional, mas também na rede de microblogs Twitter.

A página da Clarence House (@ClarenceHouse), a residência londrina do príncipe Charles e de seus filhos William e Harry, divulga regularmente informações sobre o casamento aos seus 28 mil seguidores.

Elizabeth II é apresentada frequentemente pelos serviços reais como uma pioneira da internet: tem um Blackberry e um iPod e foi a primeira monarca a enviar um "e-mail", em 1976, quando a internet dava seus primeiros passos.

O palácio tem sua própria página no site de vídeos YouTube, chamado de "Royal Channel" (www.youtube.com/user/TheRoyalChannel), na rede social Facebook (www.facebook.com/TheBritishMonarchy) e no site para compartilhamento de fotos FLickr (www.flickr.com/photos/britishmonarchy).

A página real no Facebook tem mais de 320 mil "Curtir". No entanto, não alcança os números de outras monarquias. A rainha Rania da Jordânia tem 600 mil seguidores no Facebook e outros 500 mil no Twitter.

"Utilizando as redes sociais, podemos nos comunicar com um público mais amplo de uma maneira nova e criativa", explicou à AFP Nick Loughran, responsável de imprensa do príncipe William.

Para Tim Jordan, especialista em meios de comunicação no King's College de Londres, as novas tecnologias permitirão sobretudo à monarquia, financiada pelos contribuintes, justificar sua existência nestes tempos de austeridade econômica.

"Utilizam Facebook e Twitter para mostrar quanto trabalho fazem, em particular os membros menos importantes da família real que não recebem tanta atenção na imprensa tradicional. Ajuda a justificar sua posição", explicou à AFP.

Estas redes também permitem à realeza estar mais perto de uma população da qual frequentemente parece distante, afirma Charlie Beckett, diretor do centro de reflexão sobre a imprensa "POLIS".

O episódio trágico de 1997 demonstrou isso grosseiramente. A rainha rejeitou em um primeiro momento expressar sua tristeza em público após a morte de Diana, enquanto o país inteiro chorava desconsolado. A opinião "oscilava para o lado republicano", lembrou Beckett. "A família real não quer voltar a ser percebida jamais como tão desconectada", ressaltou.

Mas os tradicionalistas podem se tranquilizar: a revolução tecnológica não vai se apoderar do palácio por enquanto. As mensagens lembrando as outras casas reais europeias do casamento foram enviadas, no mais puro estilo do final do século passado... por fax.

Acompanhe tudo sobre:EuropaFamília real britânicaInternetPaíses ricosReino Unido

Mais de Tecnologia

Apenas 20% dos CFOs estão satisfeitos com os resultados dos investimentos em tecnologia

Meta negocia comprar 5% da EssilorLuxottica, dona da Ray-Ban que comprou a Supreme, diz WSJ

Meta abre dados do Instagram para estudo do impacto na saúde mental de adolescentes

O que é o Prime Day? Nos EUA, ele deve movimentar US$ 14 bilhões

Mais na Exame