Tecnologia

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa deverá superar os US$ 50 milhões em receitas neste ano

Estação de recarga para carros elétricos da Waymo em Los Angeles

Estação de recarga para carros elétricos da Waymo em Los Angeles

Publicado em 18 de junho de 2024 às 07h08.

Toda semana, centenas de residentes de Phoenix, São Francisco e Los Angeles encontram uma mensagem em seu e-mail: “Apertem os cintos! Bem-vindo ao Waymo One. Prepare-se para sua primeira viagem totalmente autônoma.”

Com essa confirmação, essas pessoas estão fora da lista de espera do maior serviço de robotáxi dos EUA – são mais de 500 SUVs elétricos da Jaguar que não precisam de motorista. A frota cheia de sensores e controlada por IA da Waymo não estará tão cedo nas cidades dos EUA, mas 2024 é um ponto de inflexão para uma tecnologia que muitos defensores esperavam que chegasse anos atrás.

De acordo com a Forbes, após 15 anos de pesquisa e desenvolvimento, mais de US$ 8 bilhões em investimentos e vários programas piloto, os robotáxis da Waymo, que faz parte da Alphabet (dona do Google), se tornaram um negócio, reservando mais de 50 mil viagens por semana nas três cidades. Supondo uma tarifa média de US$ 20 por viagem, a receita anual da empresa deverá superar US$ 50 milhões este ano. Foi menos de US$ 1 milhão em 2022, de acordo com uma estimativa do Pitchbook – representando um crescimento de cerca de 1.000%.

Mesmo com um crescimento modesto nas quatro cidades em que planeja operar até ao final de 2024, a Waymo poderá esperar uma receita anual de centenas de milhões de dólares dentro de mais um ou dois anos.

Mesmo com o aumento dos negócios da Waymo, os reguladores de segurança dos EUA estão investigando dezenas de relatos de veículos tendo funcionamento irregular, embora nenhum com ferimentos ou mortes.

Na semana passada, a empresa anunciou um recall de software para toda a sua frota de 672 veículos depois que um robotáxi em Phoenix atingiu um poste telefônico enquanto tentava encostar em baixa velocidade. Até agora, porém, foram evitados acidentes mais graves, como um em São Francisco. no ano passado, quando um robotáxi operado pela unidade Cruise da General Motors atingiu e arrastou uma mulher por 6 metros. Ou um caso em 2018 que teve um motorista desatento em um veículo de teste autônomo do Uber atingiu e matou um pedestre em Phoenix, encerrando o programa de direção autônoma da empresa.

Expectativas

Ainda segundo a Forbes, há uma década, as expectativas em relação aos veículos autônomos eram altas. Esse tipo de otimismo levou alguns analistas às previsões iniciais sobre o tamanho potencial dos negócios da Waymo, como quando o Morgan Stanley fixou seu valor empresarial em US$ 175 bilhões em 2018. Esse número lucrativo incluía receita esperada de serviços autônomos de transporte rodoviário e logística, o que a Waymo desde então deixou de lado. Desde então, a Waymo não apenas modificou seus planos de negócios, mas também viu seus rivais passando por dificuldades nessa área.

Ford e Volkswagen, por exemplo, encerraram a Argo AI, sua startup bilionária de robotáxi; A Uber encerrou seu programa, vendendo a unidade para a Aurora; A Motional, apoiada pela Hyundai, reduziu as operações; e a Zoox, da Amazon, ainda não iniciou passeios comerciais em sua van elétrica personalizada, embora isso ainda possa acontecer no final deste ano. Antes promissoras, as startups de transporte com robôs, incluindo TuSimple, Embark, Ike e Starsky, também faliram ou foram adquiridas por outras empresas.

O progresso lento, mas constante, do Waymo também não empolga tanto os investidores. Provavelmente eles sabem que ainda faltam anos para o negócio ser altamente lucrativo e recuperar os bilhões de dólares já investidos. Mas o crescimento das receitas poderá ocorrer rapidamente, mesmo que a Waymo demore a entrar em novos mercados urbanos.

A Alphabet, do Google, não detalha a receita da Waymo em relatórios de lucros, agrupando-a no negócio de “Outras Apostas”, que inclui internet e serviços relacionados à saúde. Mas é, em geral, a mais promissora das “Outras Apostas” da empresa. A receita aumentou 72%, para US$ 495 milhões no primeiro trimestre de 2024, coincidindo com a expansão do serviço da Waymo em São Francisco e Phoenix. O serviço em Los Angeles começou no segundo trimestre.

Acompanhe tudo sobre:RobóticaCarros autônomosAlphabet

Mais de Tecnologia

Presos no espaço, astronautas da Nasa enfrentam problema em cápsula espacial da Boeing

Starlink, de internet via satélite, lança versão Mini; saiba o preço e disponibilidade

IDC estima que a Apple venderá menos de 500 mil unidades do Vision Pro em 2024

Neuralink avança em implantes cerebrais com segundo voluntário

Mais na Exame