Balanço da Salesforce: receita recorde, mas lucro sob pressão

Em 2020, a empresa acumulou alta nas receitas de 24%, dado o avanço da digitalização de seus clientes. No entanto, para o fim deste ano, a companhia tem alguns desafios
Escritório da Salesforce, em Nova York (Noam Galai/Getty Images)
Escritório da Salesforce, em Nova York (Noam Galai/Getty Images)
A
André Lopes

Publicado em 30/11/2021 às 06:01.

Última atualização em 30/11/2021 às 08:27.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Salesforce, líder global em software corporativo, apresenta hoje, 30, o resultado fiscal relativo ao terceiro trimestre de 2021 e deve mostrar, ao menos no lucro, sinais de enfraquecimento da fase em que surfou em uma alta demanda por serviços de digitalização e computação em nuvem.

Espera-se que a receita mantenha o crescimento e atinja o marco de 6,8 bilhões dólares, ante 5,42 bilhões de dólares do ano anterior  nos últimos dois trimestres, a empresa superou todas as estimativas.

Contudo, a lucratividade deve ficar sob pressão, uma vez que a empresa terá de pôr os valores em comparativo com o momento recorde de 2020. Também, entra na conta os custos de fusões e aquisições feitas este ano.

Há compras bem vistas. Uma delas é a MuleSoft, de integração entre aplicativos, que foi lassada por 6,5 bilhões de dólares, e o sistema de visualização de dados Tableau, por 15,3 bilhões de dólares.

E outras que ainda precisam mostrar ao que vieram, como a compra do mensageiro Slack, a maior aquisição que já fez e pela qual desembolsou 27,7 bilhões de dólares.

Espera-se que a companhia relate um lucro de 0,28 dólares por ação, o que representa um declínio de 80%. O valor contabilizado no lucro por ação do mesmo período de 2020 foi de 1,74 dólares.

Salesforce e a transformação digital: entrevista com Fabio Costa | CEO Talks

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.