Amazon é acusada de gerar milhões de quilos em lixo despejados em oceanos

A organização acusa a gigante de tecnologia de ter despejado 210 milhões de quilos de lixo nos oceanos em 2019; Amazon diz que dados são exagero
Poluição nos oceanos: relatórios estimam que 90% das aves marinhas já ingeriram plástico (fergregory/Thinkstock)
Poluição nos oceanos: relatórios estimam que 90% das aves marinhas já ingeriram plástico (fergregory/Thinkstock)
L
Laura Pancini

Publicado em 15/12/2020 às 11:18.

Última atualização em 15/12/2020 às 12:25.

A Oceana, organização sem fins lucrativos para a conservação oceânica, publicou um relatório que acusa a gigante da tecnologia Amazon de ser responsável por 210 milhões de quilos de resíduos despejados no oceano em 2019.

Os resíduos seriam almofadas de ar, plástico bolha e outros itens de embalagens de plástico que fazem parte dos estimados 7 bilhões de pacotes da Amazon entregues em 2019. De acordo com o estudo, só a quantidade de almofadas de ar seriam suficientes para circular a Terra mais de 500 vezes.

A Amazon afirmou em e-mail para o site The Verge que esse número seria exagerado em mais de 350%. A empresa de Jeff Bezos diz que usa um quarto da estimativa da Oceana, o que ainda quer dizer que 52 milhões de quilos de resíduos teriam sido despejados no ano passado.

“Temos a mesma ambição da Oceana de proteger e restaurar os oceanos do mundo e apoiamos a redução do uso de plásticos", disse um porta-voz da Amazon em comunicado. "No entanto, a organização fez o cálculo errado", completa.

A Oceana fez seus cálculos de forma indireta. Primeiro, ela reuniu dados de quantas embalagens plásticas são usadas em todo o mundo. Depois, ela assumiu que a quantidade de embalagens usada pela Amazon era equivalente a sua participação no mercado de comércio eletrônico.

Usando a projeção de um estudo publicado pela Science no início deste ano, que estima que 11% dos resíduos plásticos globais acabam em ecossistemas aquáticos, a organização chegou a conclusão que, em ecossistemas de água doce e marinhos, a Amazon despejou por volta de 10 milhões de quilos de resíduos de embalagens.

Porém, o estudo da Science não se limita a resíduos de embalagens, o que torna a estimativa de quanta poluição de plástico a Amazon despejou em oceanos, rios e lagos, difícil de definir.

Apesar disso, a Oceana se mantém firme em seu posicionamento. “A quantidade de resíduos plásticos gerados pela empresa é impressionante e cresce em um ritmo assustador”, disse Matt Littlejohn, vice-presidente sênior da Oceana.

“Nosso estudo descobriu que as embalagens plásticas e os resíduos gerados pela Amazon são principalmente destinados, não para reciclagem, mas para o aterro, o incinerador ou o meio ambiente, incluindo nossos oceanos, onde o plástico pode prejudicar a vida marinha", comenta Littlejohn.

Um estudo publicado no Science Direct estima que 90% de todas as aves marinhas e 52% de todas as tartarugas marinhas já ingeriram plástico. De acordo com a Oceana, relatórios científicos estimam que apenas 9% de todo o plástico já produzido foi reciclado e 91% acabou em aterros sanitários, incinerado ou no meio ambiente, incluindo os oceanos.

Desde 2015, a Amazon toma medidas para reduzir a quantidade de lixo produzida. A empresa afirma que cortou mais de 900 milhões de quilos de material de embalagem nos últimos 5 anos.