Revista Exame

Wine power: o poder dos bares de vinho na educação sobre a bebida

Os bares de vinho têm desempenhado o papel de educar e elevar a qualidade dos rótulos que os consumidores compram

 (Catarina Bessell/Exame)

(Catarina Bessell/Exame)

Juliana Alves
Juliana Alves

Empresária

Publicado em 18 de junho de 2024 às 06h00.

Nos últimos anos, o mercado de vinhos no Brasil tem experimentado uma transformação significativa. O aumento do consumo médio per capita — que saiu de 1,8 litro em 2019 para os atuais 2,7 litros — levou a um curioso fenômeno: a popularização dos wine bars. Esse crescimento tem desempenhado um papel central na educação sobre o vinho, além de elevar a procura dos consumidores por rótulos de uma gama mais alta e de melhor qualidade.

Quando comecei minha jornada no mercado de vinhos, em 2017, percebi uma lacuna significativa: a dificuldade que o consumidor comum enfrentava para acessar informações de qualidade e desenvolver seu paladar, e eu também enfrentava essa dificuldade. Naquela época, conhecer diferentes rótulos e regiões produtoras exigia um investimento substancial em tempo e dinheiro. Muitas vezes, a única opção era comprar garrafas inteiras sem saber ao certo se o vinho agradaria, ou participar de cursos e eventos esporádicos, nem sempre acessíveis a todos.

A criação dos wine bars veio como uma solução inovadora para democratizar o consumo de vinho e educar os consumidores de maneira acessível e prazerosa. Em alguns, é possível ter acesso a mais de 100 opções de vinhos em taça, permitindo explorar uma vasta gama de rótulos sem a necessidade de adquirir garrafas inteiras. Nos wine bars, é possível degustar a mesma variedade de vinhos em uma única noite, gastando uma fração do valor. Quando tornamos a experiência mais acessível e atrativa, incentivamos mais pessoas a explorar e aprender sobre vinhos, e a barreira que existia havia anos simplesmente desaparece.

Hoje, é comum encontrar menus que sugerem harmonizações específicas para cada prato, permitindo que os clientes combinem diferentes vinhos com suas refeições e elevem a experiência gastronômica. Em uma só refeição, você pode começar com uma taça de espumante, seguir com uma entrada acompanhada de um vinho branco, degustar um petisco com uma taça de rosé, saborear o prato principal com um vinho tinto e finalizar com a sobremesa acompanhada de um vinho do Porto ou um vinho de sobremesa. Essas combinações não apenas realçam os sabores mas também ensinam o cliente sobre a arte da harmonização.

Muitos wine bars ficam dentro de importadoras e lojas de vinho, o que também facilita a compra. Os estabelecimentos organizam, ainda, cursos e degustações que ajudam na venda de rótulos mais caros, um mercado que é sempre resiliente a crises. No final, o grande poder dos wine bars está em sua capacidade de educar e encantar, transformando a experiência do consumidor e contribuindo para o crescimento e a democratização do mercado de vinhos no país. Fica o convite para entrar em um wine bar e experimentar um ótimo vinho em taça.

Acompanhe tudo sobre:1264

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

ESG na essência

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

O "zap" mundo afora: empresa que automatiza mensagens em apps avança com aquisições fora do Brasil

Mais na Exame