A página inicial está de cara nova Experimentar close button

A economia brasileira ficou um ano sem sair do lugar

Mais um ano está terminando. E, na economia, chegamos a dezembro na mesma situação que havia em janeiro. Ou seja, sem que o governo saiba o que vai fazer para resolver os problemas críticos do país, que continuam a ser os mesmos

São Paulo - O ano de 2013, para a costumeira surpresa que quase todo mundo sente quando a folhinha chega a esta zona de fronteira entre novembro e dezembro, está acabando — e, como sempre, a sensação é que o tempo passou voando. Voou mais depressa ainda, ao que parece, para a economia brasileira.

A impressão é que tudo está tão parecido com o que estava em janeiro, mas tão parecido que não dá para ver bem o que aconteceu de lá para cá, ou mesmo se aconteceu realmente alguma coisa. Os problemas críticos a resolver são os mesmos. A falta de ideias coerentes para lidar com eles é a mesma.

O tempo desperdiçado com discussões inúteis é o mesmo. A simulação de atividade por parte do governo e sua convicção de que a melhor maneira de resolver dificuldades é criar algum truque de marketing (“minha panela, minha vida” ou coisas assim) são as mesmas.

São precisamente as mesmas, enfim, a ausência de perspectivas racionais para calcular com razoável segurança variantes-chave, como crescimento, juros, consumo, câmbio, investimento, política monetária, gasto público, e, acima de qualquer outra coisa, a real disposição do governo para cumprir seus compromissos e manter-se fiel à sua palavra.

Para 2014 ser diferente de 2013, teriam de acontecer fatos realmente relevantes, transformadores e estratégicos na política econômica — e não há nada disso à vista. A tendência é o governo continuar administrando sua quitanda nas miudezas do dia a dia. Não consegue pensar em nada de mais ambicioso para o dia de amanhã porque não tem, simplesmente não tem, nenhuma ideia coerente a respeito do que fazer, ou como fazer, no dia de hoje. Dois exemplos:

1) Em janeiro deste ano já estava mais do que claro que havia um problema master com os preços dos combustíveis. Com a política de segurar esses preços, o governo procurava atender às necessidades de resistir à inflação; ao mesmo tempo, provocava graves problemas financeiros para a Petrobras, maior empresa do Brasil, cuja administração é controlada diretamente pelo Palácio do Planalto.

A Petrobras é uma empresa pública, que tem contas a prestar ao público — acionistas ou não — e precisa ser gerida de maneira a apresentar um balanço no azul; quanto mais azul, melhor. Mas é ao mesmo tempo uma repartição do governo, sujeita a decisões políticas e obrigada a tomar medidas que vão contra sua natureza empresarial.


Entende-se, é claro, a complexidade do problema que a Presidência da República, onde essas coisas são realmente decididas, está tendo de enfrentar — não pode arruinar a saúde financeira da Petrobras ou comprometer seu futuro como empresa  mas também não pode soltar os preços para remunerar de forma adequada a companhia, pois não quer e não pode atiçar a inflação.

A questão é difícil, sem dúvida — mas o problema, para ilustrar o ambiente de inação descrito há pouco, é que chegamos a dezembro na mesma situação que existia em janeiro, ou seja, sem que o governo saiba o que vai fazer. Andamos um ano para ficar no mesmo lugar.

2) Foi concluído com sucesso, enfim, um leilão importante para a privatização de atividades que o poder público comprovadamente, há décadas, não consegue administrar — o dos aeroportos do Galeão e de Confins. Poderia ter sido feito dez anos atrás, e as obras, a esta altura, já estariam dez anos adiantadas.

Sim, chamar a iniciativa privada para investir na área pública era um pecado mortal para o PT; hoje, ao que parece, continua sendo um pecado, mas a presidente Dilma Rousseff resolveu oferecer uma indulgência plenária a ele. Se era para ser assim um dia, como estava na cara que teria de ser, por que não se fez logo no começo, então?

Ao que parece, o governo continua descontente, envergonhado e hesitante diante das privatizações que tanto poderiam melhorar seu desempenho. Tudo o que a presidente conseguiu dizer de notável, no dia do leilão, é que foi uma derrota para os que torciam contra ele. Quem torcia? O PT, que continua a condenar as privatizações?

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também