A expansão da Natural One, que conquista paladares no mundo todo

Criada há seis anos, a empresa está apostando nas exportações para impulsionar sua expansão
 (Exame/Germano Lüders)
(Exame/Germano Lüders)
Por Karin SalomãoPublicado em 05/11/2020 05:40 | Última atualização em 04/11/2020 20:42Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Graças a uma empresa brasileira, a Ásia, a Europa e os Estados Unidos estão provando sucos de frutas tropicais, como manga e goiaba. Criada há seis anos por Ricardo Ermírio de Moraes, herdeiro do grupo Votorantim e ex-presidente da Citrosuco, a maior exportadora de suco de laranja do Brasil, a Natural One está apostando nas exportações para impulsionar sua expansão.

Hoje, as vendas para 13 países representam 15% da receita; o plano é chegar a 18 países até o final de 2020. Crescendo cerca de 25% anualmente, a Natural One tem como meta faturar acima de 500 milhões de reais em 2021. “Apresentamos uma diversidade de sabores que não existe no mundo”, diz o ex-diretor da Ambev Rafael Ivanisk, que é presidente e sócio da Natural One.

A empresa acaba de dobrar sua capacidade produtiva na fábrica em Jarinu, interior de São Paulo, para processar 200 milhões de litros de suco por ano. O fundo de investimento Gávea também é sócio no negócio, que desde o início foca os sucos 100% naturais. Se na época da fundação da empresa esse segmento representava 5,6% do mercado, agora já está em 20%, segundo a Euromonitor.

Para conservar a bebida sem aditivos químicos, a Natural One usa o método da pasteurização. Assim, o suco pode ficar até oito meses na prateleira do supermercado, o que permitiu à empresa alcançar outros continentes. O esforço para agradar ao consumidor estrangeiro levou a um sistema sofisticado de rastreabilidade.

Por meio de um código QR nas garrafas, dá para acessar páginas na internet de todos os fornecedores, com nome e endereço catalogados pela Natural One em um trabalho que demorou dois anos. São apenas três produtores no caso da laranja, já que é necessário separar as frutas em silos diferentes na fábrica para manter o rastreamento das garrafas. A manga é de uma variedade específica, ubá, encontrada apenas no interior de Minas Gerais.

Os legumes e verduras que também são usados em alguns sucos, como capim-santo, beterraba, hortelã e couve, vêm de pequenos produtores familiares, segundo a empresa. No Brasil, a distribuição está aumentando. Presente em 20.000 pontos de venda em 2017, agora o suco está em 42.000, com dez sabores. Nos planos está ainda um suco de açaí — pedido dos chineses —, e a empresa estuda usar frutas menos conhecidas, como graviola, seriguela e umbu.

(Arte/Exame)


(Publicidade/Exame)