• AALR3 R$ 20,12 -0.40
  • AAPL34 R$ 68,32 2.31
  • ABCB4 R$ 16,86 1.02
  • ABEV3 R$ 13,95 -0.50
  • AERI3 R$ 3,79 4.12
  • AESB3 R$ 10,84 1.31
  • AGRO3 R$ 30,92 0.59
  • ALPA4 R$ 20,72 1.27
  • ALSO3 R$ 19,41 2.10
  • ALUP11 R$ 27,30 1.87
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,10 3.49
  • AMER3 R$ 23,96 2.09
  • AMZO34 R$ 64,70 -2.91
  • ANIM3 R$ 5,65 3.67
  • ARZZ3 R$ 79,82 -1.89
  • ASAI3 R$ 15,82 -0.88
  • AZUL4 R$ 21,61 2.42
  • B3SA3 R$ 12,13 0.75
  • BBAS3 R$ 38,35 3.65
  • AALR3 R$ 20,12 -0.40
  • AAPL34 R$ 68,32 2.31
  • ABCB4 R$ 16,86 1.02
  • ABEV3 R$ 13,95 -0.50
  • AERI3 R$ 3,79 4.12
  • AESB3 R$ 10,84 1.31
  • AGRO3 R$ 30,92 0.59
  • ALPA4 R$ 20,72 1.27
  • ALSO3 R$ 19,41 2.10
  • ALUP11 R$ 27,30 1.87
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,10 3.49
  • AMER3 R$ 23,96 2.09
  • AMZO34 R$ 64,70 -2.91
  • ANIM3 R$ 5,65 3.67
  • ARZZ3 R$ 79,82 -1.89
  • ASAI3 R$ 15,82 -0.88
  • AZUL4 R$ 21,61 2.42
  • B3SA3 R$ 12,13 0.75
  • BBAS3 R$ 38,35 3.65
Abra sua conta no BTG

Como a Pin People aposta no "RH do futuro"

Para Frederico Lacerda, fundador da startup de recursos humanos, pouca gente quer fazer carreira num lugar só e, por isso, o RH das empresas precisa mudar
"As empresas não mudaram, mas as pessoas sim", diz Lacerda (Exame/Leandro Fonseca)
"As empresas não mudaram, mas as pessoas sim", diz Lacerda (Exame/Leandro Fonseca)
Por Leo BrancoPublicado em 14/01/2021 05:08 | Última atualização em 14/01/2021 11:22Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O administrador Frederico Lacerda é um dos maiores experts no Brasil em fazer as empresas colocar seus funcionários no centro da estratégia de negócios, um dos pilares do employee experience. Lacerda é fundador da startup paulistana Pin People, dedicada à tecnologia para medir a satisfação da mão de obra da empresa. A seguir, Lacerda explica a origem da tendência e por que ela é importante para as empresas.

Sabia que a EXAME agora tem cursos de línguas? Venha aprender Data Science e Python com a EXAME Academy 

De onde surge o employee experience?

O conceito de “experiência” não é novo nas empresas. Há décadas elas investem na experiência dos clientes com seus produtos e serviços. O employee nasce daí. Só que, em vez de olhar para quem está fora da organização, aqui estamos olhando para dentro.

Há um negócio referência no tema?

Um dos principais é o Airbnb. Em 2015, o aplicativo de economia compartilhada renomeou o cargo de diretor de RH para head de global experience. Por lá, a função do cargo deixou de estar em caixinhas tradicionais do RH, como seleção e treinamento de pessoal, focadas na eficiência e na redução de custos. O foco agora é na geração de valor na relação empresa e empregado.

Por que prestar atenção em employee experience?

A tendência está crescendo mundo afora. De 2014 a 2019 o número de profissionais com esse cargo aumentou duas vezes e meia, segundo dados do LinkedIn. Em 2019, não tínhamos na Pin People clientes com esse cargo. Agora, metade deles tem o título. Entramos numa era em que as pessoas são o principal ativo das organizações.

Antes, o trabalho significava estabilidade para muita gente disposta a construir carreira num lugar só. Hoje, as pessoas não querem ficar na mesma empresa a vida inteira. Há pesquisas mostrando que a permanência dos funcionários em empresas de tecnologia não supera dois anos, em média.

As empresas não mudaram, mas as pessoas sim.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.