Fundo Centenário retribui conhecimento adquirido na faculdade à sociedade

Fundo patrimonial atrai ex-alunos e alunos da Escola de Engenharia da UFRGS para doações que banquem projetos de educação e pesquisa

A iniciativa de devolver para a sociedade o conhecimento adquirido nas melhores faculdades do país começa a se alastrar, alimentando um ciclo virtuoso em que os bons exemplos se multiplicam. É o caso dos doadores e voluntários do Fundo Centenário, da Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a ­UFRGS.

O fundo patrimonial (endowment fund, em inglês), ou seja, constituído com o fim específico de gerir os recursos provenientes de doações, acaba de completar oficialmente dois anos de vida, alcançando a marca de 750.000 reais em patrimônio líquido.

A iniciativa reúne ex-alunos da escola que construíram uma carreira sólida ou que enxergam o valor do conceito do giveback e recém-formados, além de outros que ainda estão na faculdade. A meta é chegar a 5 milhões de reais até o fim de 2022.

“Nós sabíamos que a cultura do endowment não era algo tão disseminada no país, mas queríamos ajudar de alguma forma a universidade. E aí conhecemos o pessoal do Amigos da Poli, em São Paulo, e vimos que havia viabilidade para fazermos o mesmo. Decidimos tirar a ideia do papel”, afirma Vitorio Canozzi, um dos idealizadores do Centenário em 2017, quando nasceu a ideia.

Ele e os demais idealizadores, Francisco Simch, Eduardo Prato, Renan Dedavid e Jonas Koch, todos estudantes na época, começaram a se dedicar a entrar em contato com ex-alunos para validar a tese e captar recursos.

 (Arte/Exame)

Um dos primeiros contatados, egresso da turma de 1984, veio a se tornar uma das principais lideranças do Fundo Centenário e atualmente é o presidente do conselho: é o executivo Cláudio Berquó, sócio do BTG Pactual e ex-presidente do J.P. Morgan no Brasil. Berquó é um entusiasta da causa do conceito de giveback desde os tempos em que trabalhou — por 14 anos — nos Estados Unidos, no próprio J.P. Morgan e no Citi.

Outros ex-alunos que se engajaram ativamente são os empreendedores Marcelo Lacerda e Sérgio Pretto, fundadores da Nutec, uma das pioneiras da internet no Brasil. Berquó, por sua vez, empenhou-se em acionar uma rede de amigos e conhecidos do mercado e do meio empresarial para angariar recursos e o envolvimento na causa.

Os recursos são utilizados para alimentar o patrimônio do fundo e para a concessão de bolsas de permanência para alunos promissores e programas anuais de mentoria, além de apoio a projetos de ensino e pesquisa na esfera da escola de engenharia. “Estamos também estruturando uma comunidade de alumni, tentando trazer ex-alunos para perto da escola e dos estudantes”, afirma Canozzi.

Berquó aponta como desafio a ser superado o convencimento de ex-alunos sobre a importância da causa. “A pessoa se mostra interessada, mas não contribui. E daí não dá para saber se é efeito da pandemia ou se teve alguma dificuldade financeira”, afirma. E cita ainda que falta no país uma cultura mais arraigada de devolver à sociedade o que se obteve por meio da educação.

Para além dessas razões, o executivo cita a tributação (ou falta de incentivos fiscais) como uma das razões para o baixo volume de doações. Enquanto nos Estados Unidos a alíquota do imposto sobre transmissão causa mortis é de 50%, no Brasil costuma variar entre 1% e 8%. “As pessoas lá acabam obrigadas a criar fundações, como a do Bill Gates ou a do Jeff Bezos”, compara.

Mas Berquó diz acreditar no efeito manada causado pela doação de empresários conhecidos, a exemplo do que vê acontecer com outros fundos patrimoniais do país, como a própria Amigos da Poli. A julgar pela experiência do próprio Fundo Centenário, é um caminho que pode ser trilhado.


 (Publicidade/Exame)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.