Revista Exame
Acompanhe:

Do oriente para o Brasil: 3 bons restaurantes para provar pratos árabes

A culinária fresca de inspiração israelense é a atual aposta gastronômica para os dias mais quentes

Shuk (antigo Yalah), no bairro de Pinheiros, em São Paulo: culinária leve e fresca (Shuk/Divulgação)

Shuk (antigo Yalah), no bairro de Pinheiros, em São Paulo: culinária leve e fresca (Shuk/Divulgação)

J
Julia Storch

15 de dezembro de 2022, 06h00

Você não precisa visitar um souk — como são chamadas as tradicionais feiras árabes — para provar pratos como kebab e faláfel.

Existem bons representantes por aqui, a exemplo do rebatizado Shuk (antigo Yalah), no bairro de Pinheiros, em São Paulo.

Essa culinária leve e fresca, que combina tão bem com os dias quentes, pode ser degustada também no Shoshana, restaurante dedicado às receitas da cozinha judaica que está há quase 30 anos no Bom Retiro e foi reinaugurado sob nova administração.

Entre as especialidades de lá estão o schnitzel e o gefilte fish. Em Copacabana, no Rio de Janeiro, o recém-aberto Balcão aproxima a gastronomia das ruas e oferece bons pratos israelenses para viagem.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos pra você aproveitar seu tempo livre com qualidade.


Drink premiado

Para escolher o drinque do verão de 2023, a Chandon decidiu realizar um concurso no país.

De 30 bares e restaurantes concorrentes, em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Goiânia e Salvador, ficaram apenas três finalistas.

Como vencedor, o drinque Paixão Selvagem, elaborado com Chandon Passion e criado por Heverton Luiz da Silva, barman do restaurante Selvagem Ibirapuera. Além do espumante com notas de maracujá, pêssego, lichia e toque de rosas, a receita leva pitaya, água de coco e gengibre.

Clássico com gim

Não é de hoje que o Fitzgerald, com gim, limão-siciliano, bitter Angostura e xarope de açúcar, faz sucesso entre os brasileiros.

Ao que tudo indica, o drinque deve continuar em alta durante o verão. “Ele é cítrico, refrescante e leva gim, que se mantém queridinho por aqui. Tem toda a chance de continuar entre os mais pedidos”, afirma Néli Pereira, consultora de mixologia e autora do livro Da Botica ao Boteco.

A especialista ainda dá outras dicas da temporada, como coquetéis prontos para beber e receitas com bases vínicas, como vermutes e espumantes. Por outro lado, os insumos brasileiros também devem se manter em alta nos bares.

LEIA TAMBÉM:

Conheça a cachaça brasileira que tem ouro e custa até 697 reais

Negroni: onde experimentar diferentes versões do drinque italiano em São Paulo