Fabricante de vinagres Castelo é hoje a maior produtora na América Latina

A centenária fabricante de vinagres Castelo apostou em boas práticas do exterior para ganhar mercado no Brasil e hoje fatura 300 milhões de reais
Família de Cereser comprou a Castelo em 1968. (Leandro Fonseca/Exame)
Família de Cereser comprou a Castelo em 1968. (Leandro Fonseca/Exame)
M
Mariana Desidério

Publicado em 18/08/2022 às 06:00.

Última atualização em 22/08/2022 às 10:11.

Com 116 anos, a fabricante de vinagres Castelo é hoje a maior produtora de vinagres da América Latina, com faturamento na casa dos 300 milhões de reais. A empresa de Jundiaí, em São Paulo, enfrentou os solavancos macro estando em contato com empresas do ramo dentro e fora do Brasil. “Conseguimos muitos avanços ao sair do nosso quadrado e buscar conhecer o que acontecia lá fora”, diz o CEO Marcelo Cereser.

A família de Cereser comprou a Castelo em 1968, e ele assumiu o comando em 1994. De lá para cá, a Castelo passou a fazer parte do Vinegar Institute, uma organização global de produtores de vinagre. Ali, Cereser conheceu tecnologias inéditas no Brasil e percebeu tendências como o vinagre de maçã — a Castelo foi pioneira no produto por aqui. “Com isso a Castelo saiu na frente do mercado”, diz.

Ao estudar o controle de qualidade de firmas estrangeiras, Cereser ajudou também a modernizar a legislação brasileira sobre o tema. De quebra, criou padrões internos responsáveis por conquistar grandes clientes. A Castelo hoje fornece vinagre como matéria-prima para as marcas de maionese Heinz e Hellmann’s.

A inflação e a escassez de insumos dos tempos atuais desafiaram a empresa nos últimos meses. O jeito foi, inevitavelmente, aumentar preços. “Chega um momento em que é preciso repassar para manter as margens saudáveis”, diz. Em outra frente, a empresa investiu na modernização do maquinário para ganhar eficiência. Só numa nova linha de envase foram aplicados 3 milhões de reais.

Um treinamento constante da mão de obra também ajudou a manter a competitividade. Quando assumiu a operação, parte do time da fábrica era analfabeta — a empresa deu aulas para resolver a deficiência.

Depois, a Castelo passou a ensinar noções de intraempreendedorismo em busca de ideias para aumentar a produtividade da companhia. Uma delas encerrou o desperdício de milhares de litros de vinagre na hora do envase. “Nossa equipe foi muito responsável em transformar a Castelo no que ela é hoje, a maior fabricante de vinagre da América Latina”, diz o CEO.

Veja também: 

Lideranças que vão além e não se limitam a trazer apenas bons resultados financeiros

Negócios com propósito: conheça iniciativas que focam em diversidade e inclusão

Veja Também

Vitor Knijnik: a Era do Siliconwood
Um conteúdo Bússola
Há um dia • 3 min de leitura

Vitor Knijnik: a Era do Siliconwood

3 motivos para abrir uma conta PJ para a sua empresa agora mesmo
BTG Insights
Há um dia • 5 min de leitura

3 motivos para abrir uma conta PJ para a sua empresa agora mesmo