Retiros vivem 'boom' pós-pandemia na mística Chapada dos Veadeiros

A região ganha força pelos negócios voltados à terapias auxiliares para lidar com a perda de entes queridos e transtornos de ansiedade causados pela pandemia
Ritual na Chapada dos Veadeiros: terapias alternativas são o atrativo da região (Valeria PACHECO/AFP)
Ritual na Chapada dos Veadeiros: terapias alternativas são o atrativo da região (Valeria PACHECO/AFP)
A
AFP

Publicado em 02/07/2022 às 13:51.

Última atualização em 02/07/2022 às 13:55.

No ritmo do tambor, Michelle Ximenes, instrutora de um templo na mística Chapada dos Veadeiros, em Goiás, dirige-se a um grupo de adultos cobertos de argila cinza, que caminham e agitam as mãos dos dois lados do corpo.

"A energia da Mãe Terra!", exclama Ximenes diante dos participantes, que seguem o culto xamânico com os olhos fechados, descalços e com roupa de banho, cercados de uma densa vegetação do Cerrado (centro).

Famosa por suas cachoeiras e trilhas que há décadas atraem aqueles em busca de descanso longe das grandes cidades, a Chapada dos Veadeiros, a 230 km de Brasília, fortalece seu perfil místico e vive um novo 'boom' de retiros após a pandemia.

"As pessoas têm se transformado, buscado desenvolvimento, a conexão com o divino. A gente sabe que a humanidade passou por momentos muito difíceis, as pessoas estão voltando para dentro de si, buscando a verdadeira felicidade", assegura Ximenes, que por causa da alta demanda passou de programar um retiro a cada dois meses a dois por mês.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.

Muitos brasileiros se interessaram por este tipo de terapia espiritual depois de dois anos de uma pandemia que matou no Brasil mais de 670.000 pessoas, o segundo país mais enlutado pela covid-19 depois dos Estados Unidos.

Os retiros parecem um antídoto para lidar com a perda de entes queridos e transtornos de ansiedade, contam os participantes.

"A energia daqui é totalmente diferente, então fazer um trabalho de se conectar com a espiritualidade, de cura nesse ambiente é realmente um diferencial", explica Juliana Abdala, de 34 anos, participante do retiro.

Centelha Divina, o templo de Ximenes situado na cidade de Alto Paraíso, oferece práticas energéticas, meditação, ioga, xamanismo e limpeza através da argila e do contato com a natureza, tudo em um lugar considerado "sagrado".

(Valeria PACHECO/AFP)

Aura mística

Grupo pratica ioga na Chapada dos Veadeiros

A Chapada abriga um parque natural com 240 mil hectares reconhecido pela Unesco, onde vivem milhares de espécies da fauna e da flora do Cerrado, ameaçadas de extinção.

A 1.200 metros sobre o nível do mar, conta com inúmeras cachoeiras de água gelada e cristalina, que vistas de cima surgem em meio a rochas enormes que em algum momento se partiram e se separaram.

Mas é sua aura mística o que tem cativado dezenas de religiões, mitologias e seitas.

A sorte e a fama da Chapada mudou bruscamente na década de 1980, quando uma foto da Agência Espacial Americana (Nasa) supostamente mostrou que a região estava apoiada sobre uma gigantesca placa subterrânea de cristal de quartzo, algo desmistificado pela ciência, mas transformado em uma crença popular.

Além disso, Alto Paraíso fica no mesmo paralelo das ruínas de Macchu Picchu, no Peru, um fato que contribuiu para que se tornasse um centro espiritual.

Os locais, enquanto isso, também alimentam a fama de que a Chapada é um local ideal para o avistamento de extraterrestres, cujas representações pequenas e verdes enfeitam lojas e pontos turísticos da cidade.

Em outro ponto de Alto Paraíso, Carol Cianni, instrutora da prática de meditação Mindfulness, provoca os participantes com um desafio: degustar um pedaço pequeno de chocolate amargo em sete minutos em atenção plena, uma forma de trabalhar a sensação de ansiedade.

Durante a pandemia, "a gente ficou em casa, muitas pessoas acharam que estavam mais ansiosas, mas agora elas tinham mais tempo para ver a ansiedade delas. Então, elas entraram em contato, colocaram uma lupa em quem elas são de verdade, esse choque de realidade acho que levou muitas pessoas a irem para essa busca de quem sou eu e como lido com quem eu sou", diz Cianni, instrutora que organizou um retiro em Paraíso dos Pandava, outro centro de Alto Paraíso.

"Não é só saborear o chocolate, mas a própria vida", acrescenta Cianni.

Karla Moreno, uma funcionária pública, conta à AFP que decidiu fazer um retiro em Alto Paraíso junto com o marido, o professor de educação física Alexandre Mallman, após perder o pai durante a pandemia.

"Foi um momento mesmo de introspecção de voltar para dentro. Foi aí que começou essa busca minha pelo autoconhecimento", assegura.