Pop

Com a greve em Hollywood, os filmes nacionais ganharam mais espaço, diz diretor da Ingresso.com

Levantamento da companhia mostra que as produções nacionais compõem cerca de 30% dos ingressos vendidos entre os 10 principais do ano

O Auto da Compadecida 2 é um dos filmes brasileiros mais aguardados pelo público (Reprodução)

O Auto da Compadecida 2 é um dos filmes brasileiros mais aguardados pelo público (Reprodução)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 19 de junho de 2024 às 15h41.

Última atualização em 19 de junho de 2024 às 15h43.

Tudo sobreFilmes
Saiba mais

Nesta quarta-feira, 19, é celebrado o Dia do Cinema Brasileiro, quando grandes sucessos que marcaram a cultura nacional são lembrados e seus profissionais homenageados. A ocasião também desperta questionamentos sobre os desafios de expandir a sétima arte no país.

Não se trata de uma preocupação nova, pois o debate sobre a presença de maior variedade de filmes brasileiros nas salas de cinema é muito antigo, assim como a preferência dos expectadores pelos longas de Hollywood. Na visão de muitos brasileiros, ainda existe a ideia de que as produções norte-americanas são superiores às nacionais e, portanto, merecedoras de mais atenção.

Por outro lado, este cenário parece estar mudando gradualmente, conforme os amantes de cinema passam a ter uma nova perspectiva sobre a qualidade das produções nacionais. Segundo dados da Ingresso.com, divulgados exclusivamente à EXAME, o cinema brasileiro teve resultados positivos em 2024.

Os 10 filmes brasileiros mais vendidos em 2024

O levantamento mostra que entre os 10 filmes mais vendidos no país em 2024, destacam-se no pódio os nacionais "Minha Irmã e Eu", "Nosso Lar 2" e "Os Farofeiros 2".  Como consequência da demanda aquecida, os filmes brasileiros passaram a representar 30% dos ingressos vendidos entre os top 10 de filmes das maiores bilheterias do ano.

Em entrevista à EXAME, Mauro Gonzales, diretor de negócios da Ingresso.com, avalia o novo fôlego do cinema brasileiro: "As produções nacionais têm crescido no mercado e evoluído. A qualidade crescente, com roteiros inovadores e uma diversidade de gêneros, está conquistando cada vez mais o público".

A pesquisa também destaca que, de 1 de janeiro a 12 de junho, foram lançados 158 filmes nacionais, aumento de 20% comparado a 131 no mesmo período de 2023 no catálogo da Ingresso.com.

Para o executivo, a demanda por essas produções certamente estimulou a oferta, puxada pelo modo especial como os brasileiros se entretêm com ficções baseadas em elementos culturais e inerentes a sua realidade.

"Temas que abordam a realidade e a nossa cultura também criam uma identificação maior com os espectadores, além de utilizarem uma linguagem mais acessível ao grande público. Esse cenário promissor indica uma aceitação crescente dos filmes nacionais e, como resultado, estamos vendo um aumento significativo na procura e na valorização dessas produções".

Greve nos EUA: uma oportunidade para o Brasil

O ano de 2023 foi de altos e baixos no mundo do cinema. A indústria foi impactada por sucessos de bilheteria como "Barbie" e "Oppenheimer". No entanto, as produções foram seriamente afetadas pela greve dos atores de Hollywood e outros profissionais do setor. A paralisação promovida pelo sindicato dos artistas e roteiristas (SAG-AFTRA, na sigla em inglês) durou quatro meses até que a definição de um acordo com os estúdios de cinema e serviços de streaming.

Embora a mobilização tenha provocado atrasos nas filmagens e lançamentos de diversos filmes e séries programados para 2024, o momento significou uma janela de oportunidades para o cinema brasileiro.

"O ano passado começou com 'Avatar: O Caminho da Água', uma das maiores arrecadações globais do cinema. Mas neste ano, devido à greve em Hollywood, houve uma redução de grandes lançamentos estrangeiros de janeiro a junho. Com isso, os filmes nacionais ganharam mais espaço no Brasil, enfrentando menos competição pelo share of wallet do consumidor com blockbusters internacionais", diz Mauro Gonzales.

E acrescenta: "Quando comparamos a bilheteria nacional com a americana, percebemos a diferença que os lançamentos nacionais fizeram aqui".

Comédia x drama

Por tocar em questões cotidianas com ironia e se comunicar melhor com as camadas populares, a comédia é o gênero que mais atrai os brasileiros para as salas de cinema. Quando se fala na categoria, o público recorda sucessos como "Minha Mãe é Uma Peça", "O Auto da Compadecida", "De Pernas para o Ar" e muitos outros.

Neste ano, de acordo com o levantamento do Ingresso.com, o gênero continuou sendo o favorito entre os expectadores. A pesquisa mostra que os filmes de comédia representam 57% dos ingressos vendidos para filmes nacionais. Em seguida, aparecem os filmes de drama, com 36%.

Apesar da liderança das produções de humor no mercado atualmente, em 2023 a situação foi bastante diferente. No período, o drama liderava com 47%, enquanto a comédia representava 27%.

Mesmo assim, o diretor executivo da Ingresso.com enfatiza que o público está cada vez mais aberto a diferentes gêneros e estilos de narrativa, mudança foi ilustrada pelo grande interesse em obras como "Bacurau", de Kleber Mendonça Filho, que mistura ação, fantasia e faroeste.

"A comédia costuma ser um gênero universal e alcança um público amplo e diverso. No entanto, os outros gêneros não passem despercebidos. Podemos citar o sucesso de 'Bacurau' em 2019, 'Medida Provisória' em 2020 e outros como 'Nosso Lar 2: os mensageiros'. Temos grandes apostas até o final do ano que não são comédia, como 'Estômago 2'. Esses exemplos demonstram que há um interesse significativo em uma variedade de gêneros, indicando uma diversificação crescente no gosto do público brasileiro".

Perspectivas para o futuro

Na esteira da demanda por comédias nacionais, alguns longas brasileiros tiveram suas sequências lançadas recentemente e aposta do estúdios foi certeira. O estudo mostra que os filmes "Nosso Lar 2: Os Mensageiros" e "Os Farofeiros 2" foram juntos os responsáveis por 50% dos ingressos vendidos para filmes nacionais em 2024 até o momento.

Os resultados também geram expectativas para outras sequências que serão lançadas nos cinemas no próximo semestre. São aguardados títulos como "O Auto da Compadecida 2", que dá continuidade à comédia escrita pelo dramaturgo Ariano Suassuna, e "Estômago 2", que retoma a jornada do presidiário que fez sucesso entre os detentos como chef de cozinha.

Para Gonzales, o setor espera por vendas positivas para estes longas e muitos outros que ainda entrarão no catálogo nacional. O diretor executivo da Ingresso.com acredita que o cinema brasileiro tende a crescer após se recuperar dos impactos da pandemia de covid-19, mas o setor ainda não voltou o ritmo anterior a 2020. Mesmo assim, ele se mantém confiante com o que está por vir neste ano.

"Ainda em 2024, temos um line-up de lançamentos promissor até o final do ano com 'Coringa: delírio a Dois', 'Deadpool & Wolverine' e entre os brasileiros, O 'Auto da Compadecida 2'", diz.

"Uma estratégia do mercado que tem dado resultado positivo é apostar em eventos, como a transmissão de jogos da UEFA nos cinemas, exibição de shows e a reexibição de filmes já conhecidos do público, como 'Harry Potter' na data comemorativa de aniversário dos filmes da franquia. Esses eventos atraem o público para o cinema mesmo sem um grande lançamento. Com um público cada vez mais ávido por novas experiências, a indústria tem a oportunidade de se reinventar e crescer de maneira sustentável."

Acompanhe tudo sobre:CinemaFilmesAncine

Mais de Pop

The Weeknd no Brasil: venda geral de ingressos começa nesta quinta; veja preços e como comprar

Agosto tem feriado? Confira as datas comemorativas do mês em 2024

Timothée Chalamet aparece como Bob Dylan em nova cinebiografia do cantor; veja o trailer

Olimpíadas 2024: 'caça aos ratos' poderá render R$ 11.500 a faxineiros de Paris

Mais na Exame