A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Como o governo de Xi Jinping domou as big techs da China

O Partido Comunista Chinês vem colocando uma série de restrições às empresas de tecnologia com negócios nos Estados Unidos. Até onde vai a repressão?

home_xi_china_big_tech O presidente chinês Xi Jinping: esforços para mostrar aos bilionários fundadores de unicórnios quem de fato manda no país

O presidente chinês Xi Jinping: esforços para mostrar aos bilionários fundadores de unicórnios quem de fato manda no país (Noel Celis - Pool/Getty Images)

Por Austin Carr e Coco Liu, da Bloomberg Businessweek

No quarto andar de um shopping à beira do porto em Grand Cayman, não muito longe dos pontos de mergulho para turistas e de uma barraca de frango defumado, fica o endereço internacional da empresa DiDi Global, uma das maiores empresas de tecnologia da China. Algumas portas mais à frente ficam as empresas de internet Baidu e Meituan; o Grupo Alibaba está registrado em uma caixa postal rua acima, em frente ao Bar & Comércio Singh’s Roti.

Os pontos de apoio no Caribe, essencialmente endereços para correspondência alugados, não têm valor operacional, mas tornaram mais fácil para os unicórnios chineses atrair investidores europeus e americanos. Eles têm sido uma ponte entre o Oriente e o Ocidente, um símbolo ensolarado do capitalismo livre tolerado pelo Partido Comunista Chinês (PCC) como o custo de permitir que seus gigantes feitos em casa competissem com seus homólogos americanos.

A presença da DiDi lá foi necessária para que se tornasse pública na Bolsa de Valores de Nova York em 30 de junho. As empresas chinesas viram vários benefícios em obter acesso aos Estados Unidos. Quando a DiDi abriu um campus de pesquisa na Califórnia em 2017, o fundador e CEO, Cheng Wei, se emocionou sobre o “novo lar da empresa ... ao lado das maiores empresas de tecnologia do mundo”. Juntos, eles estavam embarcando em uma "grande jornada".

Mas essa jornada começou a se desviar do curso em outubro do ano passado, quando o cofundador do Alibaba, Jack Ma, um dos bilionários mais visíveis do país, criticou os reguladores chineses por sufocar a inovação.

Ninguém acima do PCC

O governo do presidente Xi Jinping respondeu esmagando o plano de Ma de tornar pública a ramificação de fintech do Alibaba, o Ant Group e iniciando um caso antitruste contra o Alibaba. Ma desapareceu da vista do público, sua fortuna diminuiu e começaram a surgir rumores sobre um realinhamento mais amplo na relação entre o governo da China e suas maiores empresas.

A vez da DiDi veio em 2 de julho, poucos dias depois de sua oferta pública inicial de US$ 4.4 bilhões nos Estados Unidos. Na sequência, os reguladores ordenaram uma revisão de segurança, exigindo que as lojas móveis removessem os aplicativos da DiDi.

“Só porque você possui uma empresa de tecnologia de grande sucesso não significa que está acima do PCC”, diz Michael Witt, professor afiliado sênior de estratégia e negócios internacionais da Insead em Cingapura. “O Ant Group e Jack Ma descobriram isso sozinhos no ano passado, e é surpreendente que a DiDi não tenha captado a mensagem.”

No final do mês, o governo chinês anunciou uma nova e abrangente estrutura regulatória para o setor de educação online, que reclamou ter sido "sequestrado pelo capital", e disse que as plataformas online de alimentos deveriam garantir que os trabalhadores obtenham pelo menos a renda mínima local.

Isso destruiu os preços das ações da gigante de entregas Meituan, que já estava enfrentando uma investigação sobre suposto comportamento monopolista. Em declarações separadas nos últimos meses, Alibaba, Didi e Meituan disseram que cooperariam com as autoridades e trabalhariam para aprimorar seus sistemas de compliance.

Benchmark da repressão às big techs

A repressão do governo sinaliza uma nova era de supervisão mais severa que as empresas não serão capazes de evitar registrando-se nas Ilhas Cayman ou contratando funcionários na Califórnia. As duas maiores economias do mundo parecem trilhar caminhos diferentes enquanto lutam com o crescente poder que as empresas privadas de tecnologia acumularam.

O tom autoritário é um pivô arriscado para alguns dentro e ao redor da indústria chinesa de tecnologia e outros veem uma chance de o país ganhar uma vantagem contra seu principal rival geopolítico.

“A China está realmente assumindo a liderança no estabelecimento de alguns limites em torno do poder das Big Techs”, diz Thomas Tsao, cofundador da Gobi Partners, empresa de capital de risco com sede em Xangai. “As pessoas estão perdendo a visão geral. Elas estão testando um novo modelo. ”

Desde o final da década de 1990, a China imitou a abordagem do Vale do Silício para a inovação. Auxiliada por capital ocidental e uma geração de empreendedores parecidos com Elon Musk muitos com diploma no exterior o país viu versões chinesas do eBay e Amazon (Alibaba), AOL e Facebook (Tencent) e Google (Baidu) que escalaram para o sucesso enquanto o governo adotava uma abordagem permissiva ao seu comportamento e os protegeu amplamente dos concorrentes dos Estados Unidos.

No início, as empresas chinesas replicaram serviços que não estavam disponíveis ou não eram personalizados para o país, mas há muito tempo deixaram de ser meras cópias dos rivais do Vale do Silício e agora frequentemente superam a concorrência global.

Os chamados super aplicativos, incluindo WeChat da Tencent Holdings Ltd. e o Alipay, do Alibaba, também criados por Ma e sua equipe, lidam com tudo, desde transporte sob demanda até entrega de comida e pagamento de contas de serviços públicos não existe nada comparável nos Estados Unidos. Hoje em dia, Apple , Facebook e Snapchat estão correndo para imitar os recursos desses e de outros aplicativos chineses, em vez do inverso.

Bilionários popstars

Assim como nos Estados Unidos, o crescimento desenfreado tornou as empresas de tecnologia e seus CEOs cada vez mais poderosos e operando com surpreendente independência. Por isso, eles não tiveram medo de usar seu poder.

As maiores empresas de tecnologia da China passaram a forçar concorrentes menores a se integrarem às suas plataformas ou os pressionaram a se desfazer de suas empresas. Ma e outros titãs se tornaram popstars. Ma até começou a se vestir como astro do rock nos barulhentos shows do Alibaba, incluindo uma peruca moicano, jaqueta de couro e guitarra, e começou a se manifestar verbalmente sobre questões sociais.

Alguns acham que a repressão ao Alibaba e à DiDi juntamente com ações contra dezenas de outras empresas de tecnologia já deveria ter ocorrido há muito tempo. Andy Tian, ​​que liderou a estratégia móvel do Google China nos anos 2000 e agora é CEO do grupo Asian Innovations, uma startup de mídia social de Pequim, diz que será "positivo para a inovação" e "a competição na China ficará ainda mais acirrada do que nos Estados Unidos", porque empresas menores se beneficiarão de políticas que controlam os concorrentes maiores.

Angela Zhang, diretora do Centro de Direito Chinês da Universidade de Hong Kong e autora de “Excepcionalismo Chinês Antitruste”, diz que a intervenção vai remodelar a indústria da tecnologia na China mais rápido do que poderia acontecer em outros lugares.

“O caso contra o Alibaba levou apenas quatro meses para as autoridades chinesas antitruste, ao passo que levará anos para que os reguladores dos Estados Unidos e da União Europeia persigam empresas de tecnologia como Facebook, Google e Amazon, que estão prontas para lutar com unhas e dentes”, ela diz.

Lillian Li, fundadora do boletim informativo “Chinese Characteristics” (Características Chinesas), considera a disrupção “um reequilíbrio da dinâmica, redesenhando os limites. Não acho que o governo chinês queira destruir os gigantes da tecnologia”. Depois de décadas de uma ética de vale tudo, diz ela, a China queria lembrar sua indústria de tecnologia "daquilo que eles podem e não podem fazer".

Efeito inibidor à inovação

Se a China estiver abandonando o modelo do Vale do Silício, com que o substituirá? Especialistas chineses sugerem que será menos orientado para o fundador e mais centrado na China. A ação antitruste dos Estados Unidos geralmente se concentra no fortalecimento da proteção ao consumidor, mas a repressão na China é, em última análise, voltada para o cumprimento das políticas governamentais.

Alicia García-Herrero, importante economista do banco de investimento Natixis, em Hong Kong, observa que nem a Huawei ou a ZTE, que juntas operam um bloqueio no mercado chinês de redes de telecomunicações, foram deixadas de lado até agora, provavelmente porque mantêm laços mais estreitos com funcionários do governo. “O alinhamento total com a liderança da China é uma obrigação para se operar na China”, diz ela.

O governo do presidente Xi delineou os setores que deseja priorizar, incluindo semicondutores e inteligência artificial. Xi chamou os dados que sua indústria de tecnologia coleta de “um recurso essencial e estratégico” e tem se esforçado para utilizá-los há anos.

Seguindo um mandato desde 2015, cidades de Guiyang a Xangai estabeleceram trocas de dados que facilitam a transferência de informações anônimas entre empresas. Isso poderia levar a um sistema nacionalizado de compartilhamento de dados que serve como uma espécie de infraestrutura pública digital, colocando um enorme tesouro de dados nas mãos do governo central.

O perigo dessa abordagem é que ela pode exercer um efeito inibidor sobre a inovação. Como disse o fundador de um unicórnio chinês, esse novo modelo de tecnologia da China "ajudaria a conter algumas ideias super criativas". Embora isso significasse aprovação, também pode ser lido como uma visão assustadoramente restritiva da inovação.

A guerra pelo controle dos dados também pode ameaçar o status das Ilhas Cayman como uma ponte entre as superpotências. William Kirby, professor de Harvard, especializado em estudos de negócios chineses, observa que Washington aprovou uma legislação que ameaça retirar as ações de empresas chinesas que não enviarem documentação para auditoria, potencialmente expondo os dados que a China deseja manter para si mesma.

A China já sinalizou que tornará mais difícil para as empresas chinesas se inscreverem nas bolsas de valores dos Estados Unidos, limitando sua capacidade de crescer e levantar capital fora da Ásia. “Tudo isso é uma proposta onde ninguém ganha”, diz Kirby.

Se a repressão dificultar a expansão das maiores empresas da China, os beneficiários poderão ser os gigantes americanos da tecnologia. As perspectivas de regulamentação nos Estados Unidos permanecem incertas, e os jogadores que dominam o Vale do Silício poderão continuar comprando rivais no futuro, ganhando em escala global. Claro, se o fizerem sufocando startups que podem se transformar em rivais, isso pode acabar privando os Estados Unidos de inovações úteis só porque o Google ou o Facebook Inc. as consideram ameaçadoras.

O custo da ativação da tecnologia pela China também está sendo arcado por seus futuros líderes empresariais, que, após anos admirando os fundadores da DiDi e do Alibaba, agora precisam descobrir como pensar de forma diferente.

Um fundador de startups com base na China, que pediu anonimato para falar abertamente sobre um assunto politicamente tenso, disse que as empresas de tecnologia provavelmente serão mais cautelosas ao lançar produtos mais arriscados, agirão com mais reverência pela política do PCC e poderão tentar evitar crescer muito para que não chamem a indesejada atenção do governo.

No entanto, outro empresário que trabalhou por anos na China zomba dessa ideia. “Ninguém vai dizer:‘ Ah, talvez eu não deva ficar muito grande, porque senão corro o risco de ser fechado pelo governo’”, diz essa pessoa, que também pediu anonimato. “Se eu chegar a esse ponto, em que fique tão grande a ponto de ser fechado pelo governo, isso será incrível. Significa que sou vitorioso. Posso ser o próximo Jack Ma. " — Com Peter Elstrom, Selina Xu e Zheping Huang

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também