Viagens de negócio voltam mais rápido do que o esperado nos EUA

Um terço dos líderes empresariais estima que viagens corporativas já estão voltando ou voltarão aos níveis pré-pandêmicos no final do ano

As conferências presenciais estão voltando mais cedo do que o previsto nos Estados Unidos, uma boa notícia para setores como companhias aéreas e hotéis, que dependem de viagens corporativas para uma recuperação total.

  • Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Espera-se que cerca de metade dos participantes de uma grande reunião anual de contadores viaje para Las Vegas este mês, substancialmente mais do que os organizadores previram no início do ano. E algumas conferências planejadas para o outono americano têm um sabor totalmente pré-pandêmico, com quase todos os palestrantes e participantes programando estar no local em vez de usar o Zoom.

"Estamos oferecendo ingressos apenas digitais, mas esperamos que cerca de 95% dos nossos participantes compareçam pessoalmente”, disse Jon Weiner, fundador e CEO da conferência de saúde HLTH, por e-mail. “As vendas de ingressos estão em alta como no nosso último evento presencial (2019) e os patrocínios estão se esgotando rapidamente.” O encontro deste ano acontece em Boston, em outubro.

A recente recuperação foi vista em uma pesquisa da Association of International Certified Professional Accountants sobre perspectivas econômicas para o segundo trimestre, que descobriu que cerca de um terço dos líderes empresariais estima que viagens corporativas já estão voltando ou voltarão aos níveis pré-pandêmicos no final do ano.

Mas as viagens a trabalho ainda têm um longo caminho a percorrer: estão em 30% a 35% dos níveis pré-pandemia, segundo o JPMorgan Chase & Co. E vai demorar ainda mais para as viagens internacionais de negócios retornarem, com muitas restrições a países onde a vacinação está lenta e a variante delta do coronavírus se espalha rapidamente.

O desejo de voltar às reuniões presenciais está ligado à recuperação econômica em ritmo acelerado nos Estados Unidos, depois que as vacinações aceleraram e as restrições às atividades diminuíram - sem mencionar o cansaço do Zoom.

Voos de verão

As reservas de viagens corporativas globais estão se recuperando à taxa de 10% semana após semana, segundo TripActions, um administrador de viagens corporativas que monitora tarifas de distribuição de passagens. Elas subiram mais de 300% desde o início do ano, no mês passado. O ritmo acelerou em junho, conforme as taxas de vacinação aumentaram e os escritórios reabriram.

‘Renascimento’ de viagens corporativas

A United Airlines anunciou no mês passado uma demanda recorde de jatos e uma expansão de seus serviços para dois grandes destinos de viagens a negócios: San Francisco e Newark, New Jersey. O CEO da Delta Air Line, Ed Bastian, disse estar confiante de que os EUA em breve experimentarão um “renascimento das viagens de negócios”, com os números atingindo níveis pré-pandêmicos.

Ainda deprimido

Ainda assim, gastos com viagens corporativas continuam limitados e concentrados em alguns dos principais destinos dos EUA. A maior parte do boom de viagens até agora neste ano tem sido para viagens de lazer, estimuladas pela demanda reprimida de consumidores, especialmente os de maior renda, ansiosos para sair de casa.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também