Sony e Panasonic se preparam para resultados negativos

As duas empresas também tiveram suas classificações de dívida rebaixadas pela Moody's Investors Services na semana passada

Tóquio - A Sony e a rival Panasonic devem reportar queda de lucro trimestral e podem reduzir suas projeções anuais, como efeito da força do iene, das inundações da Tailândia e do desânimo dos consumidores europeus nas semanas que precederam o Natal.

As duas companhias tiveram suas classificações de dívida rebaixadas pela Moody's Investors Services na semana passada, porque suas divisões de televisores continuam no vermelho apesar dos esforços de reestruturação.

A Sony, que anunciará resultados em 2 de fevereiro, deve apresentar lucro mínimo para o período outubro-dezembro, que normalmente é fortemente lucrativo. A previsão é de uma queda de 94 por cento no lucro operacional, para 8,8 bilhões de ienes (114,3 milhões de dólares), de acordo com a estimativa média de seis analistas pesquisados pela Thomson Reuters I/B/E/S.

Isso representaria a pior performance da empresa em seu terceiro trimestre fiscal desde a crise financeira de 2008. Em contraste, a Samsung Electronics anunciou lucro trimestral recorde, este mês, com base na venda crescente de celulares inteligentes.

Para o ano fiscal que se encerra em março, o consenso de mercado entre os 19 analistas consultados é que o lucro operacional da Sony ficará pouco abaixo de 8 bilhões de ienes, bem menos que os 20 bilhões de ienes projetados pela companhia.

A Panasonic, que anuncia resultados em 3 de fevereiro, teve projetada uma redução de 41 por cento em seu lucro operacional no trimestre, para 56,2 bilhões de ienes, devido a problemas na divisão de televisores, lucratividade mais baixa nos chips e desempenho fraco da divisão Sanyo.

Os analistas antecipam que seu lucro operacional anual seja de 124 bilhões de ienes, ou seja, menos que a estimativa de 130 bilhões de ienes oferecida pela companhia, que pode reduzir sua projeção pela segunda vez.

A Panasonic está prevendo prejuízo líquido anual de 420 bilhões de ienes, o pior em uma década, enquanto reduz a sobreposição em algumas de suas áreas de negócios, com a compra das participações minoritárias em subsidiárias como a Sanyo, e acelera a reestruturação de sua divisão de televisores.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.