SABMiller tem alta de 2% nas vendas de cerveja no 4º tri

Os volumes na região da Ásia e do Pacífico, excluindo a Austrália, caíram 1%, prejudicados pela fraca demanda na China

	Fábrica de cervejas da SABMiller: na América Latina, maior região de vendas do grupo, o volume de cerveja aumentou 6% no quarto trimestre
 (Sean Gallup/Getty Images)
Fábrica de cervejas da SABMiller: na América Latina, maior região de vendas do grupo, o volume de cerveja aumentou 6% no quarto trimestre (Sean Gallup/Getty Images)
Á
Álvaro CamposPublicado em 22/01/2013 às 13:26.

Londres - A SABMiller informou nesta terça-feira que as vendas de cerveja, em termos de volume, subiram 2% no quarto trimestre do ano passado, na comparação com o mesmo período de 2011. Enquanto isso, as vendas de bebidas não alcoólicas cresceram 3%.

Os volumes na região da Ásia e do Pacífico, excluindo a Austrália, caíram 1%, prejudicados pela fraca demanda na China, onde houve retração de 3%, "devido principalmente a um inverno excepcionalmente frio e úmido em todo o país".

Na Austrália, onde as operações da SABMiller estão sob intenso escrutínio desde a aquisição da Foster em 2011, por US$ 10 bilhões, a situação começou a melhorar. As vendas no quarto trimestre (que é o terceiro trimestre fiscal da companhia) caíram 4%, uma forte desaceleração em relação à queda de 8% registrada no primeiro semestre fiscal.

Na América Latina, maior região de vendas do grupo, o volume de cerveja aumentou 6% no quarto trimestre. Na África houve alta de 4% e na Europa a expansão foi de 1%. Na América do Norte a MillerCoors - uma joint venture entre a SABMiller e a Molson Coors Brewing - teve queda de 1,1% nas vendas para varejistas e uma retração de 1,4% nas vendas para atacadistas.

A SABMiller, que é a segunda maior cervejaria do mundo, atrás apenas da Anheuser-Busch InBev, implementou aumentos de preços em algumas regiões, o que impulsionou a receita por hectolitro em 5% no quarto trimestre. Em termos gerais, a receita cresceu 8%, desconsiderando aquisições, vendas e efeitos cambiais. As informações são da Dow Jones.