Presidente do conselho da Cielo renuncia e ações caem

Em maio, o então diretor-presidente da Cielo, Paulo Caffarelli, também renunciou ao cargo
 (Paulo Fridman/Bloomberg)
(Paulo Fridman/Bloomberg)
Por ReutersPublicado em 28/06/2021 16:59 | Última atualização em 28/06/2021 17:38Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A Cielo informou, no final da sexta-feira, a renúncia de Mauro Ribeiro Neto como presidente e membro do conselho de administração da empresa de meios de pagamento.

Ainda na sexta-feira, o colegiado aprovou a eleição de José Ricardo Fagonde Forni, indicado pelo acionista controlador BB Elo Cartões Participações, entidade pertencente ao Banco do Brasil, para substituir Ribeiro Neto como membro do conselho.

O conselho irá deliberar qual de seus integrantes será o presidente do colegiado, esclareceu a Cielo à Reuters.

Ainda na sexta-feira, outro integrante do conselho, Gustavo de Souza Fosse, também renunciou e será substituído por Ênio Mathias Ferreira, também indicado pela BB Elo Cartões Participações.

A posse de ambos como integrantes do conselho está condicionada à aprovação pelo Banco Central.

José Ricardo Fagonde Forni é graduado em ciências econômicas pela Universidade de Brasília-UnB, com MBA em finanças pelo IBMEC e certificação avançada em inovação pelo IMD (Suíça), além de diversos cursos de finanças e riscos no Brasil e no exterior.

Ele exerceu os cargos de diretor em várias áreas no BB, onde atualmente é vice-presidente de gestão financeira e de relações com investidores do BB e integra o conselho de administração no BV e na EloPar.

Ênio Mathias Ferreira é graduado em direito pela Associação de Ensino Unificado do Distrito Federal — AEUDF e em administração de empresas pela UnB. Em sua trajetória no BB, exerceu posições executivas nas áreas de governo e tecnologia. Atualmente, vice-presidente corporativo do BB, é membro do conselho fiscal da EloPar e do conselho deliberativo da BB Previdência.

Em maio, o então diretor-presidente da Cielo, Paulo Caffarelli, renunciou ao cargo.

Por volta de 14h20, as ações caíam 1,36%, a 3,62 reais, enquanto o Ibovespa perdia 0,22%.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.