PDVSA negocia crédito com Rosneft, Eni, Repsol e Statoil

Negociação mostra uma tentativa da estatal de reverter uma queda na produção para o menor nível em quase 30 anos

Santa Cruz - A venezuelana PDVSA está em conversas com a russa Rosneft, a italiana Eni, a espanhola Repsol e a norueguesa Statoil para obter crédito para projetos de petróleo e gás, disse um executivo da companhia, em uma tentativa da estatal de reverter uma queda na produção para o menor nível em quase 30 anos.

A Venezuela e sua estatal de petróleo estão buscando novos recursos para se financiar, conforme o país trabalha para renegociar 60 bilhões em dívidas devido a sanções dos Estados Unidos contra o governo do presidente Nicolás Maduro, que a Casa Branca acusa de ser uma "ditadura".

"Nós estamos falando com nossos aliados, com nossos parceiros estratégicos, que são Rosneft, Eni, Repsol, Statoil, e eles querem continuar trabalhando conosco, continuar financiando nossos projetos para impulsionar a produção de petróleo e gás no curto prazo", disse à Reuters o vice-presidente de gás da PDVSA, Cesar Triana.

Rosneft, Eni, Repsol e Statoil não puderam ser contatados imediatamente para comentar.

A PDVSA tem tido poucos recursos disponíveis para manter e recuperar suas operações petroleiras, em meio a uma batalha do governo venezuelano para obter recursos para pagar dívidas.

A produção de petróleo da Venezuela caiu em outubro para menos de 2 milhões de barris por dia, menor nível desde 1989, segundo dados do governo enviados à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). A produção tem caído na comparação anual desde 2012.

A Venezuela quer elevar a produção de petróleo em 2018 em 500 mil barris por dia, disse Triana, nos bastidores de um evento do setor de gás em Santa Cruz, na Bolívia.

Nos últimos anos a Venezuela não conseguiu atingir suas próprias metas de produção, consideradas ambiciosas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.