Negócios

OGX mantém contato com Vinci Partners e outros sobre opções

OGX foi forçada a iniciar negociações depois de não pagar juros de 44,5 milhões de dólares sobre sua dívida


	Navio-plataforma da OGX: empresa afirmou que "neste momento, no entanto, não houve qualquer definição no sentido de concretizar eventual oportunidade de negócios ou injeção de valores"
 (Divulgação)

Navio-plataforma da OGX: empresa afirmou que "neste momento, no entanto, não houve qualquer definição no sentido de concretizar eventual oportunidade de negócios ou injeção de valores" (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de outubro de 2013 às 08h10.

São Paulo - A OGX informou no final da noite de quinta-feira que está discutindo com a Vinci Partners e outros potenciais investidores opções para a reestruturação financeira da endividada companhia de petróleo e gás.

A empresa afirmou, porém, que "neste momento, no entanto, não houve qualquer definição no sentido de concretizar eventual oportunidade de negócios ou injeção de valores, muito menos em relação à alienação de controle da companhia".

A divulgação ocorreu depois de pedido de esclarecimento pelo órgão regulador do mercado, CVM, sobre rumores publicados em jornais sobre negociações da petrolífera com a Vinci Partners, que chegou a negar nesta semana que estava em conversas com a OGX sobre uma potencial tomada de controle.

"A Vinci Partners nega cabalmente as informações veiculadas pela mídia de que poderia se associar ou mesmo realizar operação ou investimento de qualquer natureza na OGX", afirmou a empresa de investimentos em comunicado enviado à imprensa na quarta-feira.

A OGX, que atualmente tem dívida de 3,6 bilhões de dólares em bônus no mercado, foi forçada a iniciar negociações depois de não pagar juros de 44,5 milhões de dólares sobre sua dívida em 1 de outubro.

A companhia tem 30 dias desde o não pagamento para obter um acordo com credores ou será declarada inadimplente. Se isso ocorrer poderá marcar o maior calote corporativo na América Latina, segundo dados da Thomson Reuters.

Também na noite de quinta-feira, o conselho de administração da OGX indicou o nome de Jorge Rojas Carro, indicado pelo empresário Eike Batista, para ser conselheiro independente depois da renúncia de Luiz Eduardo Guimarães Carneiro, ex-presidente-executivo da petrolífera. A indicação terá de ser aprovada em assembleia marcada para 1 de novembro.

Acompanhe tudo sobre:EBXEike BatistaEmpresáriosEmpresasGás e combustíveisIndústria do petróleoMMXOGpar (ex-OGX)OGXP3OSXPersonalidadesPetróleovinci-partners

Mais de Negócios

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Descubra 4 formas de pedir empréstimo e quais são as vantagens e desvantagens de cada uma

Apoio Financeiro no RS: prazo para adesão ao termina nesta sexta-feira; saiba como se inscrever

Com nova fábrica, Gelato Borelli vai triplicar produção e planeja faturar R$ 360 milhões em 2024

Mais na Exame