A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Odebrecht cria canal para que funcionários denunciem corrupção

O sistema, batizado como Linha de Ética, funcionará em todos os países onde o grupo tem presença e repetirá o modelo de denúncia anônima da polícia

São Paulo - A Odebrecht criou um canal direto para que os funcionários da companhia possam denunciar de forma anônima os desvios de conduta ou práticas corruptas na empresa.

A iniciativa faz parte de uma nova política aprovada pelo Conselho de Administração com o objetivo de "orientar o comportamento e as relações internas e externas dos funcionários, independentemente do nível hierárquico", disse a Odebrecht em nota.

Caso haja dúvidas sobre a conduta de funcionários, clientes ou fornecedores, os colaboradores da Odebrecht poderão utilizar o canal disponível no site da companhia ou realizar uma ligação anônima para fazer a denúncia, afirmou a companhia em comunicado.

O sistema, batizado como Linha de Ética, funcionará em todos os países onde o grupo tem presença e repetirá o modelo utilizado pela polícia, que permite a denúncia anônima sem o temor de represálias.

Assim que a denúncia for recebida, ela será "registrada e investigada com independência e imparcialidade, de maneira interna ou com o auxílio de empresas especializadas".

Com a medida, a Odebrecht, uma das principais companhias envolvidas nos escândalos revelados pela Operação Lava Jato, reitera seu compromisso com uma atuação "ética, justa e transparente".

"Nosso foco é a prevenção e o principal esforço na implantação será o treinamento e a conscientização das pessoas. Se ocorrer algum desvio, a política oferece todos os mecanismos necessários para identificá-lo rapidamente e adotar, sempre que necessário, as medidas corretivas e disciplinares, também prevista", diz a nota.

O presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, foi condenado a 19 anos e quatro meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha dentro da Lava Jato.

Mais de 70 diretores da companhia assinaram um acordo de delação premiada com a Justiça para explicar detalhes de como a corrupção funcionava em troca de redução de suas futuras penas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também