Número de multimilionários chineses já superam os 17 mil

Em média, multimilionários têm cerca de 51 anos de idade e ativos no valor de 1,820 bilhão de iuanes (US$ 296 milhões)

Pequim – O número de multimilionários chineses, aqueles que possuem pelom menos 500 milhões de iuanes (cerca de US$ 81 milhões), alcançou um recorde ao superar os 17 mil, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira pela imprensa oficial do país asiático.

O relatório sobre a riqueza na China, elaborado pelo Banco Mingsheng e o Instituto de Pesquisa Hurun, apresenta dados de 2014, e mostra um aumento considerável com relação à informação recopilada desde 2008 e até 2013, quando a lista não superou os mil nomes.

Trata-se do maior número registrado pelo Hurun nos 15 anos que publica sua lista anual dos mais ricos do país, ao estilo da revista americana “Forbes”, indica o oficial “China Daily”.

Em conjunto, o valor dos ativos dos multimilionários do país alcança os 31 trilhões de iuanes (US$ 5 trilhões), umas dez vezes o PIB anual da Noruega ou 20 vezes o das Filipinas, acrescenta o relatório.

Pela primeira vez neste tipo de estudos divulgados na China, são publicados detalhes das pessoas que foram incluídas na lista, como onde vivem, quanto acumularam e o tipo de trabalho que desempenham.

Em média, todos eles têm cerca de 51 anos de idade e ativos no valor de 1,820 bilhão de iuanes (US$ 296 milhões).

A maioria são empreendedores, promotores imobiliários ou investidores profissionais e não residem em cidades de “primeira ordem” como Pequim, mas em cidades de “segunda categoria” no país, como Shenzhen, limítrofe com Hong Kong.

Entre eles, 300 têm pelo menos 10 bilhões de iuanes (US$ 1,6 bilhão), 2,9 mil possuem desde 2 bilhões a 10 bilhões de iuanes (de US$ 325 milhões a US$ 1,6 bilhão), 5,1 mil de 1 bilhão a 2 bilhões de iuanes (US$ 162 milhões a 325 milhões) e o resto, de 500 a 1 bilhões de iuanes (de US$ 81 milhões a 162 milhões).

O fundador da lista Hurun, Rupert Hoogewerf, atribuiu o recorde registrado ao rápido crescimento econômico da China e à melhora do Bolsa de Valores.

O estudo mostra que os multimilionários são otimistas com o ambiente de negócios atual e a metade deles pensa que nos próximos três anos será cada vez mais fácil obter empréstimos.

Na sua opinião, a economia global melhorará e os empreendedores desfrutarão de um melhor “status social”, apesar de só uma terceira parte deles considerar que obterão maiores lucro que na atualidade.

80% destes endinheirados chineses planejavam investir no estrangeiro e a metade deles já fazem.

Ao redor de 45% investiram em joias e jade, enquanto outros 29% manifestaram colecionar obras de arte de pintura e caligrafia.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.