A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Metaverso: O plano de Zuckerberg para dominar o futuro da internet

Em meio a escândalo, rede social anunciou a criação de 10 mil empregos com objetivo de criar o metaverso, onde real e virtual se fundem

Em meio a um dos maiores escândalos de sua história, a rede social Facebook anunciou hoje o plano de criar 10 mil empregos na União Europeia nos próximos cinco anos, com o objetivo de criar o metaverso -- a grande aposta de Mark Zuckerberg para o futuro da internet e do próprio Facebook.

O metaverso é um universo onde o real e o virtual se fundem por meio de serviços e aparelhos que usam tecnologias como a realidade aumentada. “O metaverso tem o potencial de ajudar a destravar o acesso a novas oportunidades criativas, sociais e econômicas”, disse o Facebook em comunicado.

Na visão de Zuckerberg, o metaverso é a nova geração da internet e o próximo capítulo da história do Facebook, conforme afirmou em uma conferência com investidores em julho.

“O metaverso é a expressão final da tecnologia social”, disse o empresário. “Acredito que o metaverso será o sucessor da internet móvel, e criar produtos do tipo é o próximo passo em nossa jornada para ajudar a construí-la”, afirmou em um post na rede social.

Se tudo der certo,  a expectativa do criador do Facebook é que a empresa deixe de ser conhecida como uma rede social e se torne uma empresa de metaverso.

O primeiro exemplo concreto de um produto do Facebook com foco em metaverso são as Horizon Workrooms, plataformas de trabalho para reuniões que usa realidade virtual, por meio de óculos especiais. O serviço existe há cinco anos e já é usado por sete milhões de funcionários.

As vagas a serem criadas para o novo projeto serão focadas em pessoal altamente qualificado. O plano da rede social é investir 50 milhões de dólares nos próximos dois anos para a construção da internet do futuro.

Denúncias

O anúncio torna os planos futuros do Facebook mais palpáveis em um momento crucial para a companhia. Não à toa, a notícia chegou no mesmo dia em que a ex-funcionária do Facebook, Sophie Zhang, presta depoimento no parlamento britânico a respeito de práticas questionáveis adotadas pela empresa.

O depoimento faz parte de um dos maiores escândalos envolvendo o Facebook, desencadeado após a também ex-funcionária da empresa Frances Haugen ter entregue documentos reveladores ao The Wall Street Journal.

Dentre as revelações está a de que o Facebook sabia que o Instagram estava piorando problemas relacionados a imagens corporais entre adolescentes. Há ainda a suspeita de que o Facebook enganou investidores com comunicados que não correspondiam às ações internas da companhia.

As revelações levantaram críticas vindas de legisladores, reguladores e do público e colocam em xeque a rede social como a conhecemos. A ação do Facebook caiu 12% desde setembro, e Zuckerberg chegou a perder 6 bilhões de dólares em um único dia. Com o anúncio de hoje, o empresário deixa claro que já tem outras cartas na manga para manter a relevância da companhia no futuro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também