M. Dias Branco: trigo e inflação devem impactar resultados

Fabricante de alimentos M. Dias Branco divulgará nesta sexta-feira, 6, os resultados do segundo trimestre de 2021
 (Divulgação/M. Dias Branco/Divulgação)
(Divulgação/M. Dias Branco/Divulgação)
M
Marina FilippePublicado em 06/08/2021 às 06:00.

A fabricante de alimentos M. Dias Branco, dona de marcas como Piraquê, Adria e Vitarella divulga nesta sexta-feira, 6, os resultados do segundo trimestre de 2021, que deve ter lucro pressionado pela inflação, uma vez que o trigo importado reflete a alta dos custos.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor 

Para tentar reverter esse cenário, em janeiro, a empresa optou por aumentar os preços dos produtos. O reajuste médio de 10% foi recebido com forte resistência, pressionando os volumes até final de fevereiro. Naquele momento, o volume registrou queda de 25% quando comparado ao mesmo período do ano anterior, e o lucro caiu 89,1%.

Daqui para frente, uma possibilidade de melhoria se dará caso a China demande menos soja e trigo, refletindo diretamente nas margens da M.Dias Branco, segundo analistas de mercado.

Outra estratégia, mais imediata, que pode ajudar no resultado é a venda para o exterior. No acumulado entre janeiro e março deste ano, a companhia superou em 112,6% o faturamento em exportação do mesmo período do ano passado, algo que pode seguir no segundo trimestre de 2021.

De olho nisto, em julho, a empresa anunciou parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), por meio do Observatório da Indústria e do Centro Internacional de Negócios, para acelerar o processo de internacionalização.

A solução conjunta irá transformar dados em informações mais estratégicas de mercado para os produtos da empresa. Isso vai permitir que a empresa, que hoje exporta para 42 países de todos os continentes, prospecte novas oportunidades em sua rota de internacionalização.

"São muitos países, muitos produtos e a gente tem recursos limitados. Então, contar com uma ferramenta de priorização, que contenha informações de uma maneira visualmente fácil de compilar e de assimilar pode nos trazer mais agilidade na tomada de decisão", disse César Reis, diretor de exportações da M. Dias Branco.

Também em julho a empresa anunciou a quarta edição de um programa de aceleração de startups. Desta vez, há dez desafios pré-estabelecidos, como o aumento do prazo de validade dos produtos, mantendo as características originais; impressão 3D em alimentos; gestão remota para execução de testes industriais; inteligência artificial para cenários de commodities; tecnologias para rastreabilidade de produtos; soluções em trade marketing; oportunidades em novos negócios, como foodtechs de produtos e ingredientes, dentre outros. Está é uma das formas da empresa fundada em 1953 continuar se modernizando e buscando melhores resultados apesar das adversidades econômicas.

As marcas da M. Dias Branco estão presentes em 91,1% dos lares brasileiros, segundo dados da consultoria Kantar. Os produtos mais vendidos companhia, em 2020, foram farinhas, massas e margarinas, sendo que biscoitos, torradas e misturas para bolos também cresceram em volume, receita e rentabilidade.

Quais são os maiores desafios de 2021? Assine a EXAME e entenda.