Lucro do Santander Brasil cresce 20,5% no 4o trimestre

Redução em provisão para perdas com empréstimos e aumento na concessão de crédito ajudou o banco a lucrar 7,382 bilhões de reais em 2010

São Paulo – O Santander Brasil divulgou nesta quinta-feira alta de 20,5 por cento no lucro líquido do quarto trimestre em relação ao mesmo período de 2009, ajudado por redução em provisão para perdas com empréstimos e aumento na concessão de crédito.

A instituição teve lucro líquido de 1,918 bilhão de reais no quarto trimestre, contra 1,591 bilhão de reais um ano antes. Mas na comparação com o terceiro trimestre, houve ligeiro recuo de 0,9 por cento no resultado. Analistas consultados pela Reuters esperavam lucro líquido de 1,823 bilhão de reais. Os números são baseados no critério contábil IFRS.

No acumulado de 2010, o banco teve lucro de 7,382 bilhões de reais pelo critério IFRS, 34 por cento acima dos 5,508 bilhões de reais de 2009.

A carteira de crédito fechou dezembro em 160,56 bilhões de reais, um crescimento de 16 por cento sobre 2009. Enquanto isso, as despesas com provisão para crédito de liquidação duvidosa caíram 17,7 por cento no quarto trimestre em comparação com um ano antes, para 1,768 bilhão de reais. Houve queda também na comparação com o terceiro trimestre, quando a provisão foi de 1,81 bilhão de reais.

“O crescimento do endividamento das famílias não tem alterado de forma importante o comprometimento de renda mensal com pagamento de amortizações e juros em função da concomitante elevação dos rendimentos, do alargamento dos prazos e da queda das taxas de juros cobradas do tomador final. Com isso a inadimplência se mantém em queda”, afirma o Santander no balanço.

Com isso, o índice de inadimplência relativo a empréstimos vencidos a mais de 90 dias medido pelo IFRS foi de 5,8 por cento no trimestre passado, contra 6,1 por cento de julho a setembro e 7,2 por cento na comparação com os últimos três meses de 2009.

Já o retorno sobre patrimônio líquido médio anualizado, importante indicador da rentabilidade de um banco, foi de 11,1 por cento no quarto trimestre ante 11,3 por cento nos três meses imediatamente anteriores.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.