Lucro do JPMorgan cai 51% no segundo trimestre

A escala de perdas de crédito é um termômetro da economia dos EUA. Apesar da grande queda, retração foi melhor do que o esperado

O JPMorgan Chase & Co. divulgou nesta terça-feira que reservou cerca de 10,5 bilhões de dólares em provisões para cobrir uma onda de potencial inadimplência após a pandemia do Covid-19, mas reportou lucro melhor do que o esperado no segundo trimestre, apesar da queda de 51%.

O lucro líquido do maior banco dos Estados Unidos caiu para 4,69 bilhões de dólares, ou 1,38 dólar por ação, no trimestre encerrado em 30 de junho, mas superou as estimativas dos analistas de 1,04 dólar por ação.

A escala de perdas de crédito esperadas no banco é um grande barômetro da saúde da economia dos EUA, conforme a pandemia de coronavírus aumenta o desemprego e pressiona as empresas.

"Apesar de alguns dados macroeconômicos positivos recentes e de uma ação governamental significativa e decisiva, ainda enfrentamos muita incerteza em relação à trajetória futura da economia", afirmou o presidente-executivo do JPMorgan, Jamie Dimon.

Ele também disse que o banco continuará pagando dividendos, a menos que "a situação econômica se deteriore substancial e significativamente".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.