Lenovo quer margens de lucro mais altas com iuane valorizado

Segundo a empresa, a margem de lucro operacional deve subir por conta da atenuação na escassez de componentes e da valorização da moeda da China

Hong Kong e Pequim - A Lenovo, quarta maior fabricante mundial de computadores, antecipa que sua margem de lucro operacional tenda a subir com a atenuação na escassez de componentes e a valorização da moeda da China, disse o vice-presidente do grupo durante o Reuters China Investment Summit.

"Com a valorização do iuane e a queda nos preços dos componentes, obviamente gerir o negócio será mais fácil do que diante de um iuane em baixa e de componentes com preços em alta", declarou o vice-presidente Wong Wai Ming em entrevista na sede da Reuters em Pequim. Ele se recusou a oferecer projeções mais concretas.

O lucro operacional da Lenovo, um indicador crucial de desempenho no setor de computadores, subiu a 1,9 por cento no terceiro trimestre deste ano, ante 1,58 por cento no trimestre anterior.

Wong também declarou que a empresa lançará seu computador tablet LePad na China dentro de algumas semanas, e está planejando oferecer um celular inteligente que operará na rede 3G TD-SCDMA da China Mobile, como parte de sua campanha para ir além da base tradicional de operações da companhia no ramo de computadores.

A Lenovo já produz smartphones para uso com as redes 3G de duas operadoras chinesas de telefonia móvel menores, mas ainda não produziu aparelho para a China Mobile, que controla mais de dois terços do maior mercado mundial de telefonia móvel.

"Obviamente planejamos ter um produto para cada operadora", disse.

Fabricantes de computadores como a Lenovo, Dell e Hewlett-Packard vêm cada vez mais voltando suas atenções a aparelhos móveis como os smartphones, a fim de diversificar atividades para além do setor de computadores pessoais, no qual os produtos são praticamente intercambiáveis e as margens líquidas caíram para apenas alguns pontos percentuais, no caso de marcas como a Acer.

A escassez na oferta de paineis LCD prejudicou as vendas do primeiro smartphone da Lenovo, o LePhone, nos meses posteriores ao lançamento do modelo, em maio. Mas a escassez se reduziu porque a Lenovo começou a adquirir componentes junto a outros fabricantes de LCD, disse Wong.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também