Lemann compra cerca de 20% da sorveteria Diletto

Por meio do fundo Innova, megainvestidor desembolsou R$ 100 milhões pela marca, com o plano de fazer dela uma nova Häagen-Dazs

	Diletto: missão é dobrar faturamento e internacionalizar a marca de sorvetes
 (Divulgação)
Diletto: missão é dobrar faturamento e internacionalizar a marca de sorvetes (Divulgação)
T
Tatiana VazPublicado em 18/03/2013 às 20:55.

São Paulo – Jorge Paulo Lemann, o bilionário brasileiro mais rico do país, fechou a compra de cerca de 20% da sorveteria Diletto por mais de cem milhões de reais. O plano é fazer da marca uma concorrente da Häagen-Dazs, com a venda dos sorvetes nos Estados Unidos, e quase dobrar seu faturamento para 50 milhões de reais até o final deste ano.

O nome do comprador da companhia foi revelado pela coluna Primeiro Lugar, da edição 1033 de EXAME. 

A marca de sorvetes artesanais é controlada há quatro anos pelos empresários Leandro Scabin, Fábio Meneghini e Fábio Pinheiro. Scabin é neto do italiano Vitorio, criador da Diletto, que abriu a primeira fábrica de sorvetes na Itália, em 1922, e dizia usar neve entre os ingredientes do sorvete.

A compra foi feita por meio do fundo Innova que, além de Lemann, tem como sócio o megainvestidor Marcel Telles e Verônica Serra. Lemann e Telles são hoje controladores da cervejaria AB InBev, da varejista Lojas Americanas e da rede de lanchonetes americana Burguer King. Em fevereiro, Lemann e Warren Buffett se juntaram para o maior negócio de alimentos da história, a compra da Heinz, por 28 bilhões de dólares. 

Jorga Paulo Lemann é oficialmente, desde março, o homem mais rico do país, com uma fortuna de 17,8 bilhões de dólares e ocupa a 33ª posição no ranking mundial. A posição era antes ocupada pelo empresário Eike Batista, que na lista deste ano teve seu patrimônio reduzido de 30 para 10,6 bilhões de dólares.