Negócios

Governo define em R$ 1,7 bilhão novo preço de venda da Celg

O novo valor é um R$ 1,1 bilhão a menos que o preço fixado inicialmente, que era de R$ 2,8 bilhões e foi considerado pelo mercado como "fora da realidade"


	Celg: o preço mínimo inicial foi o principal motivo que afastou interessados na compra da empresa
 (Reprodução)

Celg: o preço mínimo inicial foi o principal motivo que afastou interessados na compra da empresa (Reprodução)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de setembro de 2016 às 09h59.

Brasília - O governo definiu em R$ 1,708 bilhão o novo preço mínimo de venda da distribuidora de energia elétrica Celg, controlada por Eletrobras e Celgpar, empresa detida pelo Governo do Estado de Goiás.

A decisão consta de resolução do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 14.

O novo valor é um R$ 1,1 bilhão a menos que o preço fixado inicialmente, que era de R$ 2,8 bilhões e foi considerado pelo mercado como "fora da realidade".

O preço mínimo inicial foi o principal motivo que afastou interessados na compra da empresa e levou o governo a cancelar o leilão que estava marcado para agosto deste ano.

A resolução do PPI não traz a data para a realização de um novo leilão de venda da distribuidora, mas indica esperar que o certame ocorra até março do próximo ano.

Ao dispor sobre a retirada das ações da Celgpar do Fundo Nacional de Desestatização (FND), a norma cita que essa operação só poderá ocorrer nas seguintes hipóteses: "se o leilão de ações da Celg-D não ocorrer até 31 de março de 2017", "se o leilão ocorrer até 31 de março de 2017, mas não houver a alienação das ações" e "por decisão motivada do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República, a qualquer tempo".

O texto ainda determina que, no edital de desestatização, deverá ser prevista a obrigação de recompra pelo vencedor do leilão de todas as ações que os acionistas que tenham adquirido ações, no âmbito da oferta aos empregados e aposentados da Celg-D, desejarem alienar, pelo preço mínimo para a alienação do controle, devidamente atualizado pela variação positiva do IPCA, com remuneração adicional de 8% ao ano, na hipótese de não ocorrer a abertura do capital da Celg-D e a listagem de suas ações no prazo de 3 anos, contado da data de assinatura do contrato de compra e venda das ações.

Pela resolução, o Conselho do PPI também avisa que haverá uma nova audiência pública "para conferir mais transparência ao processo de desestatização da Celg-D".

Outras resoluções

A retomada do processo de alienação da Celg é um dos projetos do pacote de concessões anunciado na terça-feira, 13, pelo governo de Michel Temer.

Além da venda da Celg, o PPI também publicou no Diário Oficial resoluções sobre as diretrizes do programa e os projetos integrantes do pacote, incluindo obras de infraestrutura e o processo de desestatização da Loteria Instantânea Exclusiva (Lotex) e da Caixa Instantânea.

Acompanhe tudo sobre:CelgEletrobrasEmpresasEmpresas estataisEnergia elétricaEstatais brasileirasHoldingsServiços

Mais de Negócios

Com queda no turismo, principal rede de hotéis de Gramado já tem um pedido de Natal: hóspedes

Meses após levantar R$ 600 milhões, Solfácil anuncia nova captação no valor de R$ 750 milhões

TotalEnergies investe em pesquisa, desenvolvimento e inovação para acelerar a transição energética

Essa empresa criou uma "amiga artificial" para você conversar no WhatsApp e praticar inglês

Mais na Exame