Negócios

Fortuna de Zuckerberg cresce mais de US$ 12,5 bilhões em um dia; Saverin é o segundo maior no Brasil

O americano ocupa a 13ª posição entre os mais ricos do mundo com um patrimônio de US$ 69,8 bilhões 

Desde o começo do ano, Zuckerberg acumula ganhos que superam o valor de 24 bilhões de dólares (Kay Nietfeld / AFP/AFP)

Desde o começo do ano, Zuckerberg acumula ganhos que superam o valor de 24 bilhões de dólares (Kay Nietfeld / AFP/AFP)

Bem recebidos pelo mercado, os dados do balanço da Meta (ex-Facebook) impulsionaram as fortunas dos seus fundadores. Mark Zuckerberg registrou um aumento de US$ 12,5 bilhões em seu patrimônio apenas um dia depois da revelação dos resultados e o brasileiro Eduardo Saverin, de US$ 1,91 bilhão.

Desde o começo do ano, Zuckerberg acumula ganhos que superam o valor de 24 bilhões de dólares. No período, só fica atrás de Elon Musk, US$ 36,5 bilhões, Bernard Arnault, US$ 30,7 bilhões, e Jeff Bezos, US$ 29,3 bilhões.

O cenário positivo dos primeiros dias do ano se contrapõe aos números do ano passado quando ele terminou da lista dos bilionários com as maiores perdas de valor em suas fortunas.

No período, o seu patrimônio recuou em mais de US$ 81 bilhões, refletindo a queda dos preços nos papéis da Meta.

O avanço agora condiz com trajetória em direção oposta do preço das ações. Desde o dia 3 de janeiro, apresentam alta de mais de 51%.

O resultado fez com que o executivo saltasse da 25ª colocação nos últimos dias de 2022 para a 13ª posição entre os mais ricos do mundo, com um patrimônio de US$ 69,8 bilhões.

Qual o tamanho da fortuna do Eduardo Saverin

 O brasileiro Eduardo Saverin, cofundador teve um alta de US$ 1,91 bilhão. Ele detém atualmente 2% dos papéis da companhia, segundo os últimos dados.

No acumulado do ano, Saverin registra ganhos de US$ 3,66 bilhões, valores que o fizeram saltar da quinta para a segunda colocação entre os maiores bilionários brasileiros com uma fortuna avaliada em US$ 10,5 bilhões.

Boa parte do seu patrimônio ainda é oriundo da companhia, que ele fundou com Zuckerberg e outros dois colegas em 2004. Naquele momento, apenas uma rede social. Hoje, um conglomerado que conta ainda com Instagram e WhatsApp.

Atualmente, Saverin vive em Singapura, de onde administra o B Capital, um fundo de investimentos que cofundou em 2015. A empresa tem sob gestão cerca de US$ 6,5 bilhões. Em meados de 2022, o fundo anunciou que havia levantado US$ 250 milhões para investir em startups em early stage.

Globalmente, ele ocupa a posição 193ª entre os mais ricos.

Quais dados animaram os investidores da Meta   

Após a divulgação do balanço, as ações da Meta subiram 26%. Pesou no ânimo dos investidores os números da receita, acima do projetado pelo mercado, e a indicação de que os custos tendem a diminuir.

Zuckeberg também elevou o limite de recompra das ações da companhia em mais de US$ 40 bilhões. Uma movimentação traduzida para o investidor como sinalização de que os ativos estão sendo negociados abaixo do preço.

Apesar de ter subido mais de 50%, o preço das ações estão distantes do pico, em 30 de agosto de 2021, quando alcançou o valor de US$ 379,4.

Leia também:

Acompanhe tudo sobre:Eduardo SaverinFacebookmark-zuckerberg

Mais de Negócios

Delivery e margens apertadas: franquias de alimentação faturam R$ 61,9 bi, mas custos preocupam

Após aporte de R$ 530 mi, Sólides cria superapp para se aproximar de funcionários dos clientes

Mounjaro, rival do Ozempic, pode chegar ao Brasil; veja preço

Brasil tem o mais alto nível de insegurança ecológica e climática do mundo

Mais na Exame