Negócios
Acompanhe:

Bernard Arnault se torna a terceira pessoa no mundo a ter fortuna superior a US$ 200 bilhões

Antes, só Jeff Bezos, fundador da Amazon e da Blue Origin, e Elon Musk, da Tesla e Spacex, superaram a cifra

 A fortuna do bilionário vem em uma trajetória ascendente acompanhando os resultados da LVMH, grupo do qual detém 50% de participação (Philippe LOPEZ/Getty Images)

 A fortuna do bilionário vem em uma trajetória ascendente acompanhando os resultados da LVMH, grupo do qual detém 50% de participação (Philippe LOPEZ/Getty Images)

M
Marcos Bonfim

10 de janeiro de 2023, 11h40

Após superar Elon Musk como o homem mais rico do mundo em dezembro, Bernard Arnault, dono do conglomerado de luxo LVMH responsável por marcas como Dior, Tiffany & Co. e Louis Vuitton, rompeu mais uma barreira em sua trajetória profissional. O bilionário francês se tornou a terceira pessoa no mundo a ter a fortuna estimada em mais de US$ 200 bilhões.

Segundo o indíce de bilionários da Forbes em tempo real, a fortuna de Arnault superou o valor e está avaliada em US$ 201 bilhões na manhã desta terça-feira, 10.

Antes, o valor só tinha sido atingido por Jeff Bezos, fundador da Amazon e da Blue Origin, e Elon Musk, da Tesla e Spacex, superaram a cifra. Bezos foi o primeiro em agosto de 2020 e entre idas e vindas, retomou ao patamar outras duas vezes – em outubro de de 2020 e abril de 2021.

Musk alcançou o valor em 2021 e foi além: chegou a US$ 340 bilhões em 4 de novembro do mesmo ano, acompanhando a evolução das ações da Tesla. Desde então, a maré virou e o bilionário se tornou também a primeira pessoa no mundo a perder mais de US$ 200 bilhões.

Como Bernard Arnault conseguiu alcançar o recorde

A fortuna do bilionário vem em uma trajetória ascendente acompanhando os resultados da LVMH, grupo do qual detém 50% de participação.

  • O negócio encerrou o ano de 2021 com 64,2 bilhões de euros de receita, alta de 44% sobre o resultado de 2020.
  • Nos primeiros nove meses de 2022, a empresa anunciou receita de € 56,5 bilhões, 28% de crescimento sobre similar intervalo de tempo do ano anterior.
  • Os números foram impulsionados por “varejo selecionado” - produtos comercializados em apenas alguns estabelecimentos -, com alta de 30%, vinhos e destilados, 23%, e relógios e joias, 23%.
  • Na Euronext Paris, antiga Bolsa de Paris, as ações da LVMH são negociadas a mais de € 750,00, percentual 81% acima do registrado no começo de 2020. À época, os papéis da companhia eram negociados a € 419,10.

A expansão do grupo é sustentado também por movimentações constantes, sempre à procura de negócios para incrementar o portfolio, atualmente com 75 marcas. Um dos casos mais emblemáticos foi a compra da grife americana Tiffany & Co, finalizada nos primeiros de 2021 pelo valor de US$ 15,8 bilhões, a maior negociação da indústria do luxo global.

Quem é Bernard Arnault

Nascido em Roubaix, na França, em março de 1949, Arnault é filho de integrantes de grandes indústrias da região e desde adolescente teve interesse pelo ambiente dos negócios. A educação do empresário foi de primeira classe, com passagens pelo liceu de Roubaix e o liceu de Faidherbe em Lille e, mais tarde, pela Ecole Polytechnique, concluindo o curso de engenharia em 1971.

Aos 22 anos, Arnault deu início na sua trajetória profissional na Ferret-Savinel, empresa de engenharia criada pelo pai e que migrou para o setor imobiliário. Com a morte do patriarca, o executivo reposicionou a empresa para o mercado de luxo e logo fez a primeira aquisição, a Financiére Agache.

Quem Bernard Arnault construiu a sua fortuna

Conhecido por sua gana de vencer e estratégia agressiva nos negócios, Arnault ganhou alguns apelidos que ajudam revelar a jornada construída pelo atual dono do posto de homem mais rico do mundo. Entre eles, “O Exterminador do futuro”, “Lobo de Cashmere”, “Sun Tzu do Luxo” e o “Maquiavel das Finanças”.

O primeiro, “O Exterminador do Futuro”, surgiu logo que entrou no mercado de luxo, na década de 1980. Ele disputou a licitação pelo Boussac, conglomerado que detinha a marca Christian Dior, e pouco tempo depois de assumir o negócio, demitiu nove mil funcionários e se desfez da maior parte dos ativos da empresa, mantendo a marca Dior.

A conquista do comando da LVMH veio como resultado de uma outra batalha travada pelo executivo, quando ganhou denominações como “o lobo do cashmere” e “Maquiavel das Finanças”, referência a Nicolau Maquiavel, autor do clássico “O Príncipe”.

Em 1989, ele assumiu empresa, resultado da fusão entre a empresa de moda Louis Vuitton e o produtor de bebidas Moët Hennessy, em 1987. Arnault tinha investido no negócio e passou a discordar da gestão de Henry Racamier, reconhecido por vitalizar a Louis Vuitton. Por dentro, mexeu as peças, tirou Racamier do poder e o expulsou do conselho.

A última jogada em que a estratégia de Arnault pode ser acompanhada de perto foi na aquisição da Tiffany & Co. Após a LVMH e a joalheria americana anunciarem um acordo para a transação, veio a pandemia, perda de valor de mercado e trocas públicas de acusações entre as duas companhias. A discussão rendeu a economia de alguns milhões de dólares para a LVMH e os seus acionistas – US$ 420 milhões, precisamente.

Além da fama de negociador ferrenho, Arnault também se notabilizou por seu empenho  à filantropia e às causas ligadas ao meio ambiente.

Em 2019, ele doou aproximadamente US$ 11 milhões para ajudar no combate às queimadas na Amazônia. Na pandemia de Covid-19, o bilionário francês transformou parte de algumas de algumas instalações de fabricação de perfumes para a produção de 12 toneladas de álcool em gel, doadas a hospitais de Paris.

Confira abaixo a lista dos 10 homens mais ricos do mundo em 2022:

  1. Bernard Arnault & família: US$ 198,4 bilhões;
  2. Elon Musk: US$ 145,8 bilhões;
  3. Gautam Adani: US$ 126,8 bilhões;
  4. Jeff Bezos: US$ 112,2 bilhões;
  5. Warren Buffet: US$ 111,1 bilhões;
  6. Larry Ellison: US$ 108,6 bilhões;
  7. Bill Gates: US$ 103,1 bilhões;
  8. Mukesh Ambani: US$ 91,4 bilhões;
  9. Carlos Slim Helu e família: US$ 86,3 bilhões;
  10. Larry Page: US$ 78,7 bilhões.

Leia também: