Facebook aponta retomada desigual de pequenos negócios nos EUA

Na difícil corrida de pequenas empresas dos Estados Unidos para reabrir em meio à pandemia, negócios controlados por mulheres e minorias estão em desvantagem, segundo pesquisa do Facebook

Na difícil corrida de pequenas empresas dos Estados Unidos para reabrir em meio à pandemia, negócios controlados por mulheres e minorias estão em desvantagem, segundo pesquisa realizada pelo Facebook no fim do ano passado.

Até dezembro, 25% das pequenas empresas estavam fechadas, uma melhora em relação aos 31% em abril, de acordo com a pesquisa, que incluiu mais de 11 mil líderes empresariais e foi realizada em parceria com a associação Small Business Roundtable.

Mas os recentes resultados mascaram uma recuperação desigual. A taxa de empresas fechadas sob controle de mulheres era de 28% contra 22% para negócios com proprietários do sexo masculino, uma maior diferença em relação a oito meses antes.

A presença de mulheres proprietárias nos setores mais afetados, como alimentação e hoteleiro, explica em parte a divisão. As mulheres também tinham maior probabilidade de afirmar que cuidar dos filhos e outras responsabilidades domésticas afetavam o trabalho.

Empresas em bairros de minorias registravam taxas de fechamento ainda mais altas, de acordo com o relatório: 36% contra 22% em outras áreas. Esse grupo também relatou maiores quedas das vendas e mais demissões.

Cerca de 70% das empresas em áreas de minorias que registraram vendas mais baixas disseram que a receita caiu mais de 50% na pesquisa de dezembro, e eram menos propensas a transferir vendas significativas para o comércio online.

Os resultados reforçam outros relatórios de que a pandemia agravou as desigualdades entre proprietários de negócios, como um estudo do Federal Reserve que destacou “diferenças marcantes por raça e etnia” em saúde de crédito.

O relatório do Facebook também mostra deterioração das perspectivas para pequenas empresas que foram fechadas no final do ano passado. Apenas 37% esperavam reabrir em seis meses em relação a 66% em abril. Os fechamentos foram cada vez mais motivados por pressões financeiras, ao invés de restrições do governo, segundo o levantamento do Facebook.

A pesquisa foi realizada quando um aumento dos casos de Covid-19 levou a restrições das atividades nos EUA e antes de uma nova rodada de empréstimos federais de alívio ser aberta em janeiro. A chegada das vacinas e estímulos extras podem mudar o cenário nos próximos meses.

A diretora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, disse que a pesquisa mostra “um quadro de resiliência e criatividade” entre proprietários de empresas que foram capazes de adotar o modelo e transferir mais vendas para o comércio online.

“Também está cada vez mais claro que o impacto econômico da pandemia não foi sentido uniformemente”, disse Sandberg em comunicado.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.