Elon Musk exige volta presencial dos executivos da Tesla: "Trabalho remoto não é aceitável"

Musk, CEO da montadora, enviou um e-mail interno à equipe de executivos da empresa informando que o trabalho remoto na Tesla chegou ao fim e que é hora dos funcionários voltarem aos escritórios
 (Creative Commons/Divulgação)
(Creative Commons/Divulgação)
A
Allan Gavioli

Publicado em 01/06/2022 às 12:44.

Última atualização em 01/06/2022 às 18:29.

Elon Musk, homem mais rico do mundo e possível novo dono do Twitter, pode ter cansado do trabalho remoto de uma vez por todas. Segundo publicou uma conta no Twitter, Elon Musk enviou um ultimato a seus funcionários da montadora elétrica Tesla por e-mail, no qual exige que os funcionários da montadora retornem ao trabalho presencial. O título da mensagem é "Trabalho remoto não é aceitável".

Leia também:

No corpo do e-mail, o CEO discorre sobre como não concorda com a tendência do pós-pandemia em manter o trabalho remoto e afirmou que "qualquer um que deseje fazer trabalho remoto deve estar no escritório por um mínimo de tempo (e quero dizer, mínimo) de 40 horas semanais ou deve sair da Tesla. Isso é menos do que pedimos para os trabalhadores das fábricas". Em outras palavras, o CEO deixou claro que na montadora há dois futuros para o trabalho remoto: ou ele acaba ou o funcionário escolhe outra empresa para trabalhar.

Na mensagem, entretanto, o CEO parece estar aberto a exceções e irá analisar esses casos separadamente. “Eu vou revisar e aprovar essas exceções diretamente”, diz o CEO. Embora a mensagem afirme que o CEO deve analisar as exceções, a regra geral é que o home office pode estar com os dias contados na Tesla.

“Além disso, o ‘escritório’ precisa ser a estação principal de trabalho da Tesla, não uma filial remota não relacionada aos deveres do trabalho”, informa o comunicado em outro trecho.

Embora Musk não tenha confirmado diretamente no Twitter se o e-mail realmente foi um memorando oficial enviado por ele a seus funcionários, o bilionário deu a entender que a mensagem é sim verdadeira, já que respondeu ao tuíte original dizendo que as pessoas deveriam "fingir que trabalham em outro lugar", deixando claro sua opinião sobre o trabalho remoto.

Musk, que também comanda SpaceX, Starlink e pode vir a se tornar dono da rede social Twitter, sempre foi um crítico aberto ao modelo de trabalho remoto. Em outras ocasiões, o bilionário defendeu a reabertura de suas fábricas da Tesla em um momento complicado da pandemia nos EUA e chegou a criticar os trabalhadores americanos de forma geral, ao dizer que eles preferem ficar "trancados em casa", enquanto os chineses ficam trancados nas fábricas.

Essa diferença de pensamento acerca do modelo de trabalho pode ser uma dor de cabeça futura para o possível novo dono do Twitter, já que a rede social recentemente deixou claro que seus funcionários podem trabalhar de onde quiserem. 

Pensamento de Musk é incentivado por executivos — mas não é unanimidade

Os novos modelos de trabalho fomentados nesse pós-pandemia dividem a opinião de diversos executivos. Enquanto alguns empresários e executivos se consideram mais "conservadores e tradicionalistas" e não acham que o trabalho remoto substituti a experiência profissional de trabalhar presencialmente em um escritório, como é o caso do ex-CEO do Google, outros pensam de maneira oposta.

O CEO do Airbnb, por exemplo, já afirmou que seus funcionários podem trabalhar de qualquer lugar do mundo e ainda incentivou seus funcionários a viajarem pelo mundo nas acomodações da plataforma.

Uma recente pesquisa mostrou que funcionários mais jovens, em específico os trabalhadores da geração Z, não estão à vontade para retornar a uma rotina 100% presencial. Os resultados da pesquisa mostram que a maior parte desses trabalhadores, cerca de 70%, prefere procurar outro trabalho a ter de trabalhar presencialmente todos os dias da semana.