Negócios

Dívida da Celg diminui R$ 400 mi com conversão da dívida

A empresa deve US$ 450 milhões ao fundo de Itaipu


	Companhia Energética de Goiás (Celg): a empresa deve US$ 450 milhões ao fundo de Itaipu
 (Reprodução)

Companhia Energética de Goiás (Celg): a empresa deve US$ 450 milhões ao fundo de Itaipu (Reprodução)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de fevereiro de 2016 às 13h49.

Brasília - A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta quarta-feira, 3, a anuência para que seja feita a conversão da dívida da Companhia Energética de Goiás (Celg) com a Usina de Itaipu, de dólares para reais.

A decisão foi tomada, apesar do voto contrário do diretor-geral do órgão, Romeu Rufino. Segundo ele, se a repactuação for concretizada nos termos aprovados, a dívida da Celg deve diminuir em R$ 400 milhões.

Na avaliação de Rufino, a repactuação traz benefícios para a Celg e acionistas, mas não para o consumidor, já que haveria impacto nas tarifas.

A opinião não foi compartilhada pelo diretor relator do caso, André Pepitone, que considerou a alteração como benéfica para os consumidores da distribuidora goiana, que deve ser privatizada. A empresa deve US$ 450 milhões ao fundo de Itaipu.

Entre os requisitos previstos em lei está a inscrição da empresa no Programa Nacional de Desestatização (PND), sendo que o câmbio a ser considerado na conversão de valores será aquele do primeiro dia útil do ano em que a companhia foi incluída no PND.

Como a Celg foi inserida no programa por um decreto no dia 13 de maio do ano passado, valerá a cotação de R$ 2,693 de 2 de janeiro de 2015.

"A alternativa de repactuar com data retroativa diminui a dívida da Celg, portanto melhora sua condição de mercado, ela vale um pouco mais", disse Rufino.

Embora a área técnica da Aneel tenha sido contra a anuência para a conversão da dívida dolarizada em reais, levantando questionamentos sobre os resultados dessa operação para o conjunto dos consumidores de energia do país, o diretor da Aneel relator do caso, André Pepitone, considerou que as normas para a repactuação da dívida dizem respeito apenas aos usuários da área de concessão da Celg.

No fim de dezembro do ano passado, os acionistas da Eletrobras aprovaram a venda do controle acionário da Celg Distribuição (Celg D), por meio de um leilão de desestatização que será promovido pela BM&FBovespa.

A venda, no entanto, estava condicionada à anuência da Aneel para a repactuação da dívida em dólares com Itaipu, cuja conta é gerida justamente pela Eletrobras.

A Eletrobras tem 51% das ações da Celg e o governo de Goiás, os 49% restantes. A parcela da Eletrobras foi fixada em R$ 1,403 bilhão. Com isso, o preço mínimo total da empresa ficará em R$ 2,750 bilhões.

O valor fixado ficou bem abaixo dos R$ 6 bilhões que se esperava na venda da empresa no início do processo de privatização.

Acompanhe tudo sobre:AneelCelgEmpresasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasItaipuServiços

Mais de Negócios

10 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Mais na Exame