Credit Suisse tem prejuízo de US$ 4,7 bilhões com Archegos Capital

No primeiro trimestre, o banco Credit Suisse teve prejuízo de cerca de 900 milhões de francos suíços

O Credit Suisse disse nesta terça-feira que sofrerá uma perda de 4,4 bilhões de francos suíços (4,7 bilhões de dólares) relacionada às negociações com a Archegos Capital Management, o que o levou a reestruturar o comando das divisões de banco de investimento e risco.

O banco agora espera registrar um prejuízo no primeiro trimestre de cerca de 900 milhões de francos suíços. Também suspendeu planos de recompra de ações e cortou dividendos em dois terços.

As dívidas tiram o seu sono e você não sabe por onde começar a se organizar? A EXAME Academy mostra o caminho

O segundo maior banco da Suíça, que se desfez de mais de 2 bilhões de dólares em ações para encerrar a exposição ao fundo de investimento de Nova York, disse que a diretora de risco e conformidade Lara Warner e o diretor de banco de investimentos Brian Chin estão saindo após as perdas.

Os eventos relacionados à Archegos ofuscam o lucro líquido de 2,7 bilhões de francos suíços do banco no ano passado, com questões sobre como sua exposição à gestora se tornou tão grande, que ainda não foram respondidas.

"A perda significativa em nosso negócio de serviços Prime relacionada ao fracasso de um hedge fund com sede nos Estados Unidos é inaceitável", disse o presidente-executivo do Credit Suisse, Thomas Gottstein, em um comunicado. "Lições sérias serão aprendidas."

É o segundo grande escândalo para o Credit Suisse em pouco mais de um mês após o colapso da Greensill Capital, com as ações do banco caindo um quarto desde 1º de março.

O conselho do banco lançou uma investigação sobre as perdas da Archegos e também iniciou uma investigação sobre seus fundos de 10 bilhões de dólares que investiram em títulos da Greensill.

Os bônus propostos para os membros do conselho executivo foram descartados e o presidente de saída Urs Rohner, que preside o banco desde 2011, renunciará à sua gratificação de presidente de 1,5 milhão de francos suíços para o ano.

O novo presidente António Horta-Osório, atual CEO do Lloyds Bank do Reino Unido, está sendo informado das investigações conduzidas por um "membro muito importante" do conselho de administração, disse uma fonte familiarizada com o assunto.

O banco disse que a perda da Archegos ofuscou um início de ano "forte" em suas unidades de banco de investimento e de gestão de patrimônio.

O banco disse que Christian Meissner, que dirigia o banco de investimentos no Bank of America antes de ingressar no Credit Suisse no ano passado, seria nomeado chefe do banco de investimentos a partir de 1º de maio. Joachim Oechslin retomará temporariamente o cargo de diretor de risco , que ocupou anteriormente até fevereiro de 2019, enquanto Thomas Grotzer se tornará o chefe global interino de conformidade.

Warner e Chin estão pagando o preço por um ano em que os protocolos de gerenciamento de risco do Credit Suisse foram submetidos a severas análises. Analistas do JPMorgan estimam que as perdas combinadas dos escândalos de Archegos e Greensill podem chegar a 7,5 bilhões de dólares.

A australiana Warner só assumiu a função de gerenciamento de risco e conformidade em agosto do ano passado, tendo sido anteriormente chefe do grupo de conformidade e diretora financeiro do banco de investimento. Chin dirigiu a unidade de mercados globais do banco entre 2016 e 2020, antes de ser transferido para o banco de investimento.

O Credit Suisse também está em contato com todos os membros de seu colégio regulatório central - composto pelo supervisor do mercado financeiro suíço FINMA, a Autoridade de Regulação Prudencial do Reino Unido e o Federal Reserve dos EUA - sobre o assunto Archegos, acrescentou a fonte familiarizada com o assunto. A FINMA confirmou que está em contato com o Credit Suisse sobre o assunto, mas recusou comentários adicionais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.