Negócios
Acompanhe:
Apresentado por COCA-COLA

Compromissos e iniciativas da Coca-Cola Brasil voltadas para a sustentabilidade

Pautada por diversas metas na gestão de resíduos, a companhia quer chegar a 2030 reciclando o equivalente a 100% das embalagens que coloca no mercado

 (Coca-cola/Divulgação)

(Coca-cola/Divulgação)

e
exame.solutions

Publicado em 7 de dezembro de 2022, 08h00.

Última atualização em 7 de dezembro de 2022, 11h57.

Quando se pensa em Coca-Cola, logo vem à cabeça a clássica garrafa curvilínea Contour, que atravessou gerações embalando o refrigerante mais famoso do mundo e se tornou um ícone do design. Hoje, as embalagens da marca ganharam outro importante destaque, tornando-se um símbolo do comprometimento da companhia com a sustentabilidade.

Desde os tempos em que pouco se falava de economia circular, a Coca-Cola já tinha esse conceito como prioridade. Ao longo dos anos, a empresa tem usado a força de suas marcas para inspirar e liderar mudanças que impactem positivamente o mundo e, nesse sentido, a gestão de resíduos é uma das áreas com maior foco.

Economia circular

O programa Mundo sem Resíduos, lançado globalmente em 2018, ilustra bem como a organização tem contribuído para uma economia circular. Nele, a Coca-Cola se compromete, até 2030, a usar 50% de material reciclado nas suas embalagens, ter pelo menos 25% de suas bebidas vendidas em embalagens retornáveis e recolher e reciclar o equivalente a 100% das embalagens que coloca no mercado.

Cada unidade de negócios da companhia tem um planejamento para atingir as metas dentro dos países em que atua, focadas em progresso efetivo e na prestação de contas. Para alcançar os objetivos por aqui, a Coca-Cola Brasil tem buscado parcerias com a iniciativa privada, governo e sociedade civil. As alianças incluem engarrafadoras do sistema, consumidores, recicladores comunitários, fornecedores, ONGs, governos locais e inclusive empresas concorrentes para criar soluções que repensem a gestão de resíduos. Conheça abaixo algumas delas.

Garrafa Retornável

Coca-Cola Sem Açúcar retornável (Coca-Cola/Divulgação)

A embalagem retornável já representa 34% do volume das vendas da companhia na América Latina. Trata-se de um modelo de produção e consumo que envolve reutilizar o material existente pelo maior tempo possível, estimulando, desta forma, o aumento do ciclo de vida dos produtos e a redução de resíduos e emissões de gases. Assim, é possível fomentar a economia circular, reduzindo a pegada ambiental.

Uma embalagem retornável tem um ciclo de "idas e voltas" das fábricas para reutilização – as de plástico podem ser usadas 15 até 35 vezes. Após todos esses ciclos, são destinadas para a reciclagem.

“Como empresa, queremos expandir e disseminar ainda mais como funciona essa operação, a fim de que mais pessoas possam conhecer e adotar essas embalagens como um hábito. Vale destacar que ambas as garrafas, tanto as retornáveis como as recicláveis, devem ser levadas aos pontos de venda e/ou descartadas corretamente para que a circularidade aconteça”, afirma Rodrigo Brito, gerente sênior de Sustentabilidade Cone Sul da Coca-Cola América Latina.

Plástico transparente: mais circularidade

(Coca-Cola/Divulgação)

Uma importante mudança anunciada em agosto deste ano é a nova embalagem plástica da Sprite, que depois de 60 anos comercializada em garrafa verde, passou a ser transparente.  Embora também sejam 100% recicláveis, as garrafas coloridas têm maior complexidade no processo de recuperação e reciclagem, precisando ser separadas das demais. Já as embalagens transparentes não necessitam de separação, o que otimiza a cadeia. O material sem pigmento produz plásticos reciclados de maior valor agregado para os catadores, pois podem ser transformados em um novo produto repetidamente, além de ter um mercado mais amplo por ser utilizado por diferentes indústrias.

100% PET reciclado 

(Coca-cola/Divulgação)

Outro marco desta jornada foi o lançamento da Crystal 100% reciclada, em 2021, sendo a primeira garrafa de água mineral produzida apenas com material PET reciclado no Brasil, com consumo zero de matéria-prima virgem.

Até 2025, evitará a confecção de 3,5 bilhões de embalagens com resina virgem, o equivalente a quase 2 milhões de novas garrafas por dia ou 50 mil toneladas de plástico. Além disso, o modelo pode ser torcido facilmente, facilitando a coleta.

Apoio à reciclagem inclusiva

Mais uma ação relevante é o Reciclar pelo Brasil, uma parceria entre Coca-Cola Brasil, outras empresas da indústria e Associação Nacional dos Catadores e Catadoras (Ancat).  A iniciativa integra 18 grandes companhias e apoia diretamente mais de 233 cooperativas e associações de catadores em 161 cidades de 26 estados.

A plataforma oferece assessoria técnica e investimentos diretos para levar qualificação e desenvolvimento econômico às cooperativas. É o maior programa privado de apoio à reciclagem inclusiva do país no que se refere à formalização do trabalho de catadores de resíduos, garantindo condições dignas de trabalho: entre 2017 e 2022 foram recicladas mais de 550 mil toneladas de material reciclável, gerando mais de R$ 344 milhões convertidos em renda para os catadores.

Coleta de PET usado

Em parceria com a engarrafadora Coca-Cola Femsa, a Coca-Cola Brasil mantém a SustentaPET, uma central de coleta de PET pós-consumo. É a primeira vez no Brasil que uma indústria de larga escala passa a comprar diretamente PET pós-consumo de cooperativas e catadores, redesenhando a cadeia de logística reversa.

Atualmente, são três unidades em operação – duas em São Paulo e uma no Rio Grande do Sul. Com o investimento inicial de R$ 2,5 milhões, somente a unidade principal de São Paulo recebe todos os dias, em média, 700 mil garrafas PET. Em três anos, a SustentaPET já reciclou mais de 1,5 bilhão de garrafas e 77 mil toneladas de PET.  

(Coca-Cola Femsa/Divulgação)

Com a Solar, outra fabricante do sistema, a companhia administra o Recicla Solar, projeto em parceria com centrais de coleta, organizações de catadores e agregadores de PET pós-consumo em Pernambuco, Ceará e Bahia. Até 2023, a projeção é que o programa se expanda para outros estados do Norte e Nordeste. De janeiro a outubro, mais de 5,5 mil toneladas de PET foram coletadas e destinadas para reciclagem, o equivalente a 110 milhões de garrafas.

As expectativas no aumento da coleta e a expansão de ações de sustentabilidade no país fazem parte dos dois grandes propósitos da companhia: refrescar o mundo e fazer a diferença – este último, por meio de iniciativas no Brasil e no mundo, para continuar reforçando a importância da redução de resíduos, do cuidado e acesso à água e do empoderamento econômico das comunidades onde a companhia opera.

Veja a evolução das iniciativas da companhia para a gestão de resíduos:

(Coca-cola/Divulgação)

Para saber mais sobre essas e outras iniciativas de sustentabilidade da Coca-Cola Brasil, acesse este link.