• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Como a Frubana quer se tornar a “shopper” dos restaurantes

E-commerce que funciona como um atacarejo virtual para restaurantes já tem 45 mil estabelecimentos cadastrados e quer chegar a 400 mil em três anos
 (Divulgação/Jair Magri)
(Divulgação/Jair Magri)
Por Karina SouzaPublicado em 07/05/2022 11:00 | Última atualização em 09/05/2022 14:49Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Selecionar produtos on-line e recebê-los em uma única remessa, e no dia seguinte. Se para os consumidores pessoa física esse não parece um horizonte tão distante (com serviços como o da Shopper), para os restaurantes ainda se trata de um caminho inicial. É de olho no crescimento dele que a Frubana, e-commerce de produtos para esses estabelecimentos, se apoia para crescer no Brasil. Atualmente, a companhia atende cerca de 45 mil restaurantes (eram 3 mil no ano passado), número que deve aumentar para 400 mil nos próximos três anos, na América Latina. 

No ano passado, a empresa passou por duas rodadas de captação: uma série B, que contou com a participação de fundos como Softbank e Tiger Global, na qual levantou US$ 65 milhões. E outra, série C, na qual captaram US$ 100 milhões. A maior parte do dinheiro foi usada para investir em pessoas e na expansão da companhia no país.

Fundada em 2018, a empresa está presente no México e Colômbia e desembarcou no Brasil em 2020. Além do prazo, a companhia oferece como atrativo o preço: de 15% a 20% menor do que o dos supermercados tradicionais. A eficiência é conquistada, segundo a empresa, por comprar direto da fonte – tanto no caso da indústria quanto do hortifruti – e eliminar intermediários de venda no meio do processo.

Um ponto importante é que a Frubana não funciona como um marketplace de produtos, mas de fato mantém estoque próprio para garantir a vazão dos produtos. Para administrar a ruptura, a empresa trabalha com um algoritmo de previsão de demanda e, hoje, menos de 1% do que é comprado deixa de ser vendido. 

“Uma das coisas que com o tempo vai avançando é a previsão de demanda. Não é nada fácil garantir que vai receber os 800 SKUs que tem em São Paulo e que vai receber no padrão e no horário, existe uma parte super importante de desenvolver fornecedor e que com o tempo vai melhorando”, diz Breno Lopes, country manager da Frubana Brasil.

Logística 100% dentro de casa

Para atender aos prazos de entrega, o algoritmo também estabelece rotas para as entregas dos pedidos de forma otimizada. A frota não é própria, mas a companhia opera com transportadoras parceiras e tem até mesmo um app para o motorista independente conseguir realizar entregas. Hoje, 96% do que é vendido é entregue dentro do horário. E o valor pago pelo frete é baixo, em torno de cinco reais. 

A companhia não abre dados de faturamento, mas o modelo de negócio é razoavelmente simples: compra dos distribuidores, aplica a margem e forma o preço final. A única variação aberta é de que a receita cresceu 20 vezes do último ano para cá, ao ponto de estar próxima dos 20 maiores atacados do país em receita anual. O tíquete médio é de US$ 400. Para os restaurantes é interessante pela comodidade e, para os fornecedores,  Antonio Capezzuto, diretor de expansão da Frubana Brasil, afirma que a exposição de marca a restaurantes pequenos e médios também se torna atrativa. “O custo de aquisição para os fornecedores é muito mais baixo do que colocar uma força de vendas local”, diz.

Atualmente, a empresa atende a cidade de São Paulo inteira, além do ABCD (Santo André, São Bernardo, São Caetano e Diadema), Osasco, Barueri e Guarulhos. Fora da capital paulista, Campinas, Belo Horizonte e Curitiba também já têm atuação da companhia. Como os produtos são muito perecíveis, há a dependência de estoques próximos às regiões de entrega. Ao contrário dos galpões tradicionais de e-commerce, os deles têm mais docas e portões para ajustar a vazão. 

Questionados a respeito de lojas físicas, os executivos afirmam que testes já foram feitos com pequenos estabelecimentos, mas que “não é um movimento prioritário” para a empresa, que seguirá investindo no modelo digital. 

Veja Também

Nossos múltiplos olhares sobre 2022
Revista Exame
Há 5 dias • 3 min de leitura

Nossos múltiplos olhares sobre 2022

Comida para frio: 6 restaurantes para aproveitar o clima
Casual
Há 6 dias • 5 min de leitura

Comida para frio: 6 restaurantes para aproveitar o clima

Colombiana é escolhida Melhor Chef Feminina do Mundo 2022
Casual
Há uma semana • 2 min de leitura

Colombiana é escolhida Melhor Chef Feminina do Mundo 2022